Quando o ChatGPT foi lançado em novembro de 2022, Olivia Lipkin, uma redatora de 25 anos em São Francisco, não pensou muito sobre isso. No entanto, com o passar do tempo, começaram a surgir artigos sobre como utilizar o chatbot de inteligência artificial (IA) em seu trabalho, principalmente em grupos internos do Slack na startup de tecnologia onde trabalhava como única escritora, conforme disse em entrevista ao Washington Post.

Leia também:

Empregos na Mira da Inteligência Artificial

Nos meses seguintes, as tarefas de Lipkin começaram a diminuir. Os gerentes começaram a se referir a ela como “Olivia/ChatGPT” no Slack. Em abril, ela foi dispensada sem explicações, mas quando encontrou gerentes escrevendo sobre como usar o ChatGPT era mais barato do que pagar um escritor, a razão para sua demissão pareceu clara.

Economistas preveem mudanças drásticas no mercado de trabalho

Alguns economistas preveem que a tecnologia de inteligência artificial como o ChatGPT poderia substituir centenas de milhões de empregos, numa reorganização cataclísmica da força de trabalho, espelhando a revolução industrial. “Sempre que as pessoas mencionavam o ChatGPT, eu me sentia insegura e ansiosa que ele me substituiria”, disse ela ao Washington Post.

publicidade

“Agora eu realmente tinha prova de que isso era verdade, que essas ansiedades eram justificadas e agora eu estava realmente sem emprego por causa da IA.”

Olivia Lipkin, escritora americana

Trabalhadores de marketing e mídias sociais são os primeiros afetados

Para alguns trabalhadores, este impacto já chegou. Aqueles que escrevem conteúdo de marketing e mídias sociais estão na primeira onda de pessoas sendo substituídas por ferramentas como chatbots, que aparentemente são capazes de produzir alternativas plausíveis ao seu trabalho.

Limitações da Inteligência Artificial

Especialistas dizem que mesmo a IA avançada não corresponde às habilidades de escrita de um humano: ela carece de voz e estilo pessoal, e muitas vezes produz respostas erradas, sem sentido ou tendenciosas. Mas para muitas empresas, a redução de custos vale a queda na qualidade.

Mudança de carreira: uma resposta à automação

Lipkin, a redatora que descobriu que fora substituída pelo ChatGPT, está reconsiderando o trabalho de escritório por completo. Agora, ela está iniciando um trabalho como passeadora de cães. “Estou totalmente tirando um tempo do mundo corporativo”, disse Lipkin. “As pessoas estão procurando a solução mais barata, e essa não é uma pessoa – é um robô.”​

Com informações: Washington Post

Já assistiu aos novos vídeos no YouTube do Olhar Digital? Inscreva-se no canal!