Dentro de pequeno escritório no Aeroporto Regional de San Angelo, Jonathan Jennings procura grande oportunidade. Ele está verificando o radar meteorológico em busca de sistema de tempestade que se aproxima, para poder enviar um avião para perseguir as nuvens carregadas de umidade.

O piloto injetará neles uma borrifada de produtos químicos não tóxicos, conhecidos como semeadura de nuvens, para aumentar a precipitação no solo.

Leia mais:

“É como se estivéssemos pegando uma esponja pingando e a apertando”, disse Jennings, meteorologista do projeto da West Texas Weather Modification Association.

publicidade

A semeadura de nuvens – tecnologia implantada de várias formas desde a década de 1950 – está em fase de renascimento.

  • Jennings e outros defensores da semeadura de nuvens dizem que seus dados mostram que a ferramenta pode aumentar a chuva em 15% em determinada área, em comparação com nuvens que não são semeadas;
  • Isso é suficiente para trazer duas polegadas extras de chuva por ano, água que pode ajudar plantações a sobreviver a períodos de seca e a recarregar os aquíferos subterrâneos vitais para agricultores, pecuaristas e residentes rurais.

Em todo o oeste dos Estados Unidos e no México, a demanda por semeadura de nuvens disparou à medida que os períodos crescentes de seca extrema e o aquecimento climático a tornam alternativa mais barata para soluções tecnológicas caras, como a dessalinização de água canalizada para o interior do Oceano Pacífico ou do Golfo do México. Programas de semeadura de nuvens para aumentar a chuva e a neve estão em andamento nos estados de Texas, Utah, Colorado, Nevada, Idaho, Novo México e Califórnia.

Autoridades do Estado do Arizona estão considerando dois novos programas. No México, autoridades federais estão espalhando nuvens em cinco estados mexicanos que sofrem com seca prolongada.

Funcionamento

  • A semeadura de nuvens pode funcionar no ar ou no solo, onde geradores semelhantes a chaminés enviam produtos químicos para as massas de ar à medida que sobem as encostas das montanhas;
  • A maioria dos esforços de semeadura de nuvens usa partículas de iodeto de prata, com estrutura cristalina semelhante ao gelo;
  • Depois que os produtos químicos são injetados, a temperatura do ar deve atingir -6 °C – então, o vapor d’água começa a congelar ao redor do iodeto de prata, ficando grande o suficiente para cair no chão como chuva ou neve.

No verão, as empresas de semeadura de nuvens usam as propriedades de atração de água dos cristais de sal, como o cloreto de cálcio, para fazer o mesmo, exceto em nuvens mais quentes e úmidas.

Ao olhar para a tecnologia e o impacto ambiental, chegamos à decisão de que era realmente uma maneira segura e eficaz de aumentar o abastecimento de água local. Foi um acéfalo, especialmente a longo prazo.

Scott Griebling, engenheiro de recursos hídricos do St. Vrain and Left Hand Water Conservancy District. em Longmont, Colorado, EUA

Ao passo em que as autoridades locais estão adotando essa tecnologia de modificação do clima, alguns especialistas em clima questionam sua eficácia e se ela apenas puxa a água da chuva de uma área para cair em outra.

Eles dizem que a conservação no solo é uma maneira mais segura de preservar os escassos suprimentos de água.

A Organização Meteorológica Mundial revisou os programas de semeadura de nuvens em todo o mundo em 2018 e concluiu que a semeadura de nuvens é tecnologia promissora, mas que a variabilidade natural em cada sistema de nuvens dificulta quantificar a diferença que a semeadura faz.

Mas as autoridades locais em todo o oeste dos EUA disseram que é uma maneira econômica de aumentar a chuva e a neve. No Colorado, o distrito aquático de St. Vrain gastou US$ 40 mil (R$ 194,4 mil) em 2022 para a semeadura de nuvens de inverno para aumentar a queda e a camada de neve nas montanhas circundantes. Autoridades estaduais contribuíram com outros US$ 90 mil (R$ 437,5 mil) para pagar um empreiteiro de semeadura de nuvens.

Em março, o Bureau of Reclamation dos EUA anunciou doação de US$ 2,4 milhões (R$ 11,6 milhões) para os estados da bacia do rio Colorado superior para realizar a semeadura de nuvens aéreas e terrestres.

Em Utah, o programa de semeadura de nuvens do Estado recebeu aumento de US$ 12 milhões (R$ 58,3 milhões) em um ano, enquanto seu orçamento anual aumentou de US$ 800 mil (R$ 3,8 milhões) para US$ 5,8 milhões (R$ 28,2 milhões), de acordo com Jake Serago, engenheiro de recursos hídricos da Divisão de Recursos Hídricos de Utah.

Serago disse que os baixos níveis históricos de água em Great Salt Lake e Lake Powell, que fornecem água para Califórnia, Arizona e Nevada, despertaram interesse na semeadura de nuvens. “Tivemos seca muito longa”, disse Serago.

Um experimento em Idaho descobriu que a semeadura de nuvens de inverno usando iodeto de prata produziu a quantidade equivalente de neve para encher 300 piscinas olímpicas em comparação com nuvens que não foram semeadas, de acordo com artigo de 2020 na Proceedings of the National Academy of Sciences. O estudo usou sensores de radar e terrestres para medir a queda de neve.

Sarah Tessendorf, autora do estudo e cientista do projeto no Centro Nacional de Pesquisa Atmosférica em Boulder, Colorado, EUA, disse que os riscos ambientais da semeadura de nuvens são relativamente benignos, já que a quantidade de prata detectada na neve está abaixo dos níveis perigosos.

Mostramos agora que pode funcionar. A principal questão que estamos tentando descobrir é em quais condições a semeadura de nuvens é mais eficaz.

Sarah Tessendorf, autora do estudo e cientista do projeto no Centro Nacional de Pesquisa Atmosférica em Boulder, Colorado, EUA

Para o agricultor Steve Williams, 73 anos, no oeste do Texas, os benefícios de chuvas extras ocasionais valem o custo mínimo que ele tem com impostos ao distrito local de água destinados à semeadura de nuvens, cerca de US$ 20 (R$ 97,24) por ano.

Williams e seu filho, Ty Williams, cultivam 1.774 acres de algodão e trigo no Condado de Schleicher, Texas, um dos seis condados cobertos pelos voos de semeadura aérea da West Texas Weather Modification Association em San Angelo.

Williams disse que, normalmente, recebe apenas uma ou duas chuvas de nuvens diretamente sobre sua propriedade a cada temporada de plantio. No entanto, a semeadura faz chover nas fazendas ao seu redor, recarregando o aquífero subterrâneo do qual ele e seus vizinhos dependem para irrigação e água potável.

“É um esforço da comunidade”, disse Williams. “Todos se beneficiam. Se acontecer de você ficar sob uma das nuvens de Jonathan, você se saiu muito bem.”

De volta ao aeroporto de San Angelo, Jennings cancelou as operações de voo depois que o ar instável gerou três tornados e uma tempestade de poeira que envolveu várias cidades próximas. O dia seguinte trouxe tempo claro.

Um piloto carregou o monomotor Piper Comanche da associação meteorológica, subiu a cerca de 1,5 km e cruzou o condado de Schleicher antes de acender mais de duas dúzias de sinalizadores nas nuvens. Jennings disse que a chuva resultante levou cerca de 20 minutos para se formar. No chão, “havia chuva ao nosso redor”, disse Williams.

China já faz o mesmo

Em meados de setembro de 2022, a China já vinha testando esse mesmo sistema em Zigui, condado da província de Hubei, dado o forte período de seca pelo qual o país passava na época.

Como funciona a semeadura de nuvens

Com a semeadura de nuvens, ou chuva artificial, se junta as partículas de águas das nuvens, formando gotas e levando a chover.

Para tanto, usa-se sais de prata, como o iodeto de prata. Tais substâncias possuem geometria semelhante a cristais de gelo.

Pode-se, ainda, usar cloreto de sódio, dióxido de carbono sólido (gelo seco), água e carvão ativado.

Os sais atuam como núcleos de condensação agregando gotículas de água, de modo a formar gotas mais pesadas. Ela pode ser feita pelo céu (com aviões e foguetes) ou do chão (com canhões).

Apesar de estar em voga, a técnica não é nova, tendo sido usada em Pequim, China, na Olimpíada de 2008, para que a chuva acontecesse antes das disputas, evitando assim que o clima as afetasse.

Saída para o Brasil?

A técnica já existe no Brasil, país que é tropical e que se encontra próximo à Linha do Equador. Nas regiões mais próximas a essa linha – especialmente o Nordeste -, a seca e o forte calor imperam.

São famílias e mais famílias que sofrem coma escassez de água e alimentos, também consequência da ausência de chuva, que poderia auxiliar no plantio de frutas, verduras e legumes.

Sendo assim, surge a pergunta: será que o Brasil não poderia olhar com carinho para esse sistema, analisar os resultados nos EUA e China e, ao lado de especialistas, implantar o sistema no País? Só o tempo para dizer.

Com informações de The Wall Street Journal e eCycle