Se você é um grande defensor da soneca depois do almoço, pode ficar feliz. Um estudo descobriu que o hábito de cochilar durante o dia está relacionado com um maior volume cerebral, o que implica em um menor risco para inúmeras condições de saúde, como as demências.

Leia mais:

O estudo

  • Pesquisadores da University College London (UCL), da Inglaterra, e da Universidad de la República, do Uruguai, analisaram dados genéticos e exames de ressonância magnética de mais de 35 mil pessoas de 40 a 69 anos no Reino Unido.
  • Segundo o estudo, publicado na revista científica Sleep Health, apesar do preconceito com a soneca, o hábito é muito comum e vai perdendo força conforme a pessoa envelhece.
  • 80% das crianças entre 1 e 2 anos dormem ao longo do dia; já entre os que têm de 26 a 64 anos, apenas 13,7% cochilam.
  • Para Victoria Garfield, da UCL, o momento de sono diário pode preservar a saúde do cérebro conforme envelhecemos.
Homem dormindo com feição de tranquilidade e segurando o edredom
Qualidade do sono também é importante (Imagem: Pexels)

Como isso acontece?

Sabe-se que a redução do tamanho do cérebro acontece de forma natural ao longo da vida de um ser humano, assim como o declínio cognitivo e as doenças neurodegenerativas, como o Alzheimer. Problemas ou má qualidade do sono podem acelerar esse quadro.

Porém, os pesquisadores notaram uma relação entre quem cochila durante o dia com frequência e um volume cerebral maior. Isso indica que o hábito pode proteger contra a neurodegeneração.

publicidade

Ainda não é possível sugerir que a soneca equilibra o déficit de sono, mas a hipótese não foi totalmente descartada e está sendo estudada.

Como o estudo foi feito

A pesquisa utilizou dados de um estudo anterior, que avaliava a prática de pessoas com determinadas variantes genéricas que tiravam uma soneca durante o dia.

Os cientistas, então, compararam o banco de dados UK Biobank com informações sobre a cognição das pessoas descritas como “geneticamente programadas” para dormir durante o dia (e que de fato o faziam).

De acordo com os autores, as pessoas com a pré-disposição a cochilar tinham um volume cerebral de 15,8 centímetros cúbicos maior.

Pesquisadores não se debruçaram sobre o tempo ideal da soneca, mas outros estudos respondem: nem muito tempo, nem pouco tempo (Crédito: Shutterstock)

Soneca de quanto tempo?

  • Uma das limitações do estudo é não ter colhido informações sobre o tempo médio de sono necessário para isso (afinal, 15 minutos e 1 hora são bem diferentes, especialmente depois do almoço).
  • Outros autores sugerem que o tempo ideal é de menos de 30 minutos por dia.
  • Uma pesquisa chinesa já mostrou que cochilos rápidos aumentam a agilidade cerebral.
  • Já segundo um estudo mexicano, os cochilos muito longos estão associados a fatores de risco para diabetes e obesidade.
  • Ou seja, ao que tudo indica, pode cochilar, mas não muito!

Com informações de Sleep Health

Já assistiu aos novos vídeos no YouTube do Olhar Digital? Inscreva-se no canal!