Com o passar dos anos, a tecnologia avança, e cada vez mais aparelhos inteligentes estão integrados à rede doméstica de internet. Enquanto a demanda aumenta, as empresas de tecnologia se interessam mais em atualizar os formatos de rede sem fio.

Quanto mais modernos e rápidos os dispositivos se tornam, mais urgente é a necessidade de aumentar a capacidade da entrega de dados. Por isso, foi criada uma nova geração de rede sem fio, o Wi-Fi 6.

Leia mais:

Em 2021, a Anatel (Agência Nacional de Telecomunicações) definiu que a frequência de 6 GHz será usada exclusivamente para o Wi-Fi 6E (de “extended”, ou, estendido, em livre tradução), ou, o “super-wifi”.

publicidade

O que é o Wi-Fi 6E ou Wi-fi 6 GHz?

O super Wi-Fi 6 é sinônimo de última tecnologia em conexão sem fio, e permite o desenvolvimento de roteadores mais eficientes, oferecendo sinal mais rápido e estável para consumidores domésticos ou empresas. Também permite a expansão de recursos de realidade virtual e aumentada para smartphones e computadores.

Esse padrão de rede sem fio contempla equipamentos que operam na faixa de 5.925 MHz a 7.125 MHz, e modificou o Ato nº 14.448/2017, responsável por estabelecer os requisitos técnicos de equipamentos de radiocomunicação de radiação restrita.

Antes, os dispositivos Wi-Fi existentes operavam em duas bandas de espectro, o 2,4 GHz e 5 GHz. O Wi-Fi 6E adicionou uma terceira banda (6 GHz), praticamente quadruplicando a quantidade total de ondas usadas para a conexão sem fio convencional.

WiFi AR aplicativo que mostra sua casa através do seu cobertura WiFi
Imagem: Rido/Shutterstock

Quais são as vantagens do Wi-Fi 6

As vantagens do Wi-Fi 6 são muitas, já que ele foi desenvolvido para dividir os canais de comunicação de rede, diminuir o tempo de atraso (latência) na hora do compartilhamento de dados, aumentar a transferência de informações, e até para suportar criptografias mais avançadas (como a WPA3).

Conheça algumas delas:

Diminuição da latência

A divisão de canais de rede sem fio é importante para diminuir a latência, sendo uma das principais vantagens do Wi-Fi 6. Isso significa que, quando dois dispositivos ou mais estão utilizando a mesma rede, mas reproduzindo tarefas que exigem eficiência diferente, a tecnologia detecta as necessidades de dados de cada um, atuando para resolver o congestionamento.

Com isso, se uma pessoa usa o Wi-Fi para acessar o Instagram, enquanto outra assiste a um filme em qualidade 4k, cada dispositivo exige um volume diferente de transmissão de dados. O Wi-Fi 6 atua evitando o comprometimento de ambas as tarefas ao mesmo tempo, para que nenhum dos usuários tenha a sua experiência na internet prejudicada.

Economia de energia

O upgrade da tecnologia, por mais que adicione novos recursos, não exige mais energia para funcionar: pelo contrário, o Wi-Fi 6 foi pensado para ser mais econômico. Com isso, quando seu celular equipado com a tecnologia se conectar a um roteador compatível, o consumo de bateria decorrente do uso de internet será reduzido.

Isso é possível graças ao recurso chamado “Target Wake Time”, que permite que os roteadores programem horários de verificação de status dos dispositivos.

Mais velocidade

O Wi-Fi 6 pode chegar a uma velocidade de até 9,6 Gbps, de acordo com a Huawei. Para se ter uma ideia, a atual geração chega a 3,5 Gbps.

É quase impossível atingirmos a velocidade de 9,6 Gbps no dia a dia, porém, esse valor não precisa ir para um único dispositivo: podem ser divididos por toda a rede. Com isso, teremos um potencial de velocidade maior para cada aparelho conectado à rede.

Mais dispositivos conectados

O novo padrão se baseia na premissa de que cada vez mais dispositivos estarão conectados a um único roteador. Por isso, o Wi-Fi 6 foi pensado para gerenciar melhor múltiplas conexões, criando menos gargalos e tornando seu uso mais eficiente.

A expectativa é de que essas redes consigam lidar até com oito dispositivos conectados de forma simultânea, sem perder a velocidade em nenhum deles. Hoje em dia, os pontos de acesso Wi-Fi precisam dividir a largura de banda entre os múltiplos usuários, o que não será mais necessário com o Wi-Fi 6.

Segurança

O Wi-Fi 6 também é mais seguro, já que, para serem comercializados, além do suporte para recursos específicos, como OFDMA, MU-MIMO, beamforming, 1024-QAM e Target Wake Time, os roteadores precisam oferecer suporte à criptografia WPA3. Caso contrário, não serão certificados pela Wi-Fi Alliance.

A criptografia WPA3 dificulta que os roteadores sejam hackeados, uma prática que vem se popularizando nos últimos tempos, principalmente porque o padrão Wi-Fi atual não exige essa camada de segurança.

Menor interferência no sinal

Roteadores com tecnologia Wi-Fi 6 apresentam recursos como a assinatura BSS Color, que diminui as chances de outros aparelhos interferirem no sinal do Wi-Fi.

Pessoa segurando um smartphone ao lado de um roteador e notebook na mesa
(Imagem: Getty Images)

Quais dispositivos oferecem Wi-Fi 6?

Para que um dispositivo ofereça tal tecnologia, as fabricantes precisam adicionar os devidos componentes de hardware. Desta forma, o sinal do roteador Wi-Fi 6 será reconhecido pelo dispositivo com tecnologia de sexta geração e haverá a transmissão de dados.

O Wi-Fi 6 faz uso de duas tecnologias principais: MU-MIMO e OFDMA.

O MU-MIMO (Multi-Usuário, Entrada Múltipla, Saída Múltipla) já é encontrado em roteadores e dispositivos modernos, e também funciona como função-chave do Wi-Fi 6. É através dessa tecnologia que um roteador se comunica com vários dispositivos de forma simultânea. 

A diferença entre os roteadores atuais e a próxima geração é que o MU-MIMO no Wi-Fi 6 permitirá comunicar com até oito dispositivos ao mesmo tempo (hoje são apenas quatro).

A outra tecnologia, chamada de OFDMA (Acesso Múltiplo por Divisão de Frequência Ortogonal), permite transmitir dados para vários dispositivos de uma só vez.

Já assistiu aos novos vídeos no YouTube do Olhar Digital? Inscreva-se no canal!