Já se deparou com uma mensagem suspeita no Instagram? Há diversos estilos: anunciando empregos com salários atraentes, promoções e até recompensas. Recentemente, golpistas usaram o nome da transportadora Jadlog para aplicar o golpe do falso emprego. Como a Meta, controladora da rede social, não excluiu os perfis ou tomou qualquer outra ação, a empresa teve de recorrer ao processo.

Leia mais:

Golpe do emprego

  • Golpistas usavam perfis falsos para se passar pela Jadlog no Instagram.
  • Eles, então, enviavam mensagens para pessoas aleatórios com ofertas de “agregação”, um tipo de convocação para motoristas autônomos.
  • As páginas imitavam à da empresa, inclusive no nome de usuário, e as pessoas eram direcionados para o Whatsapp.
  • Por lá, o golpista argumentava que um depósito deveria ser feito para garantir um seguro antes de começar a trabalhar.
  • Segundo o gerente de comunicação e marketing da Jadlog, Roberto Cury, os valores do “seguro” começavam em R$ 150 e podiam chegar a R$ 600.
  • A empresa esclareceu que o recrutamento pelas redes sociais não faz parte do processo.
Imagem mostrando usuário manuseando uma conta do Instagram no Smartphone
Golpes aconteciam pelas mensagens do Instagram (Imagem: pexels)

O que o Instagram fez

A Jadlog denunciou tentativas de fraude de seis contas diferentes, mas a Meta não tirou os perfis golpistas do ar.

A empresa entrou com um pedido judicial e, em uma primeira decisão, uma liminar exigiu que a Meta excluísse os perfis do Instagram. Isso não aconteceu de imediato e a empresa terá de pagar uma multa por extrapolar o prazo. A ordem só foi cumprida na noite de terça-feira (20).

publicidade

Em depoimento ao Tilt, a advogada responsável pela ação da Jadlog, Beatrice Galegale, afirmou que a empresa continuará processando a Meta por danos morais.

Histórico do golpe

A Jadlog tomou conhecimento dos primeiros perfis falsos em abril deste ano e, em maio, descobriu que vinham de diferentes partes do Brasil.

A empresa enviou uma notificação extrajudicial à Meta requisitando que os perfis fossem derrubados, mas não obteve retorno. Ao denunciar as contas no próprio aplicativo do Instagram, recebeu como resposta que as páginas não violavam as diretrizes da plataforma.

Instagram
Apesar das denúncias, Instagram não retirou contas falsas do ar (Imagem: kovop / Shutterstock.com)

Crime digital

Segundo o advogado especialista em direito digital Renato Opice Blum, as páginas falsas se tornaram comuns e as empresas só podem se responsabilizar por elas após uma ordem judicial.

Para ele, a digitalização demanda que as plataformas de tecnologia tenham respostas mais rápidas a esses casos de estelionato (quando uma pessoa induz outra ao erro para obter vantagem), que pode levar a até cinco anos de prisão.

O que a Meta disse

Posteriormente, a Meta excluiu os seis perfis.

Um porta-voz da empresa afirmou que o Instagram revisou o conteúdo usando equipes humanas e tecnologias de Inteligência Artificial e que incentiva a denúncia dessas páginas falsas, “por meio das ferramentas disponíveis”.

Com informações de Uol

Já assistiu aos nossos novos vídeos no YouTube? Inscreva-se no nosso canal!