Drones já são atualmente utilizados para içar mangueiras de combate a incêndios em prédios altos e lançar retardantes de fogo. No entanto, eles são feitos de plástico e não podem voar próximo a um incêndio.

Agora, pesquisadores na Suíça desenvolveram com sucesso o FireDrone, um drone resistente ao calor que poderia ser utilizado em prédios e florestas em chamas.

Leia mais:

Normalmente, em caso de incêndio, a pergunta é: ‘há alguém dentro? Como é a estrutura? E onde estão as fontes de fogo, de calor?’… Isso é algo que podemos detectar com o drone de combate a incêndios.

Mirko Kovac
drone
Imagem: Empa

Mirko Kovac, chefe do Laboratório de Robótica Sustentável nos Laboratórios Federais Suíços de Ciência e Tecnologia de Materiais (Empa), diz ter sido inspirado pela tragédia da Torre Grenfell em Londres em 2017, um incêndio em um prédio de apartamentos que causou a morte de 72 pessoas.

publicidade

“Eu morava perto da torre em Londres. E foi realmente chocante ver esse evento, as pessoas costumavam me perguntar se eu tinha um drone que pudesse voar dentro e eu não tinha”, explicou Kovac.

FireDrones: drones extremamente leves e resistentes ao calor

firedrone
Imagem: Empa
  • Os FireDrones podem mapear a cena de um incêndio e identificar pessoas presas usando uma câmera térmica e uma câmera RGB.
  • Seus desenvolvedores afirmam que sensores de oxigênio, gás e toxicidade podem ser adicionados para examinar a estrutura, toxicidade e distribuição de calor do ambiente.
  • Os desenvolvedores do FireDrones utilizaram aerogel de poliimida, um gel feito de gás em vez de líquido, ao redor de todos os elementos essenciais do drone.
  • O aerogel é extremamente leve e altamente resistente ao calor.
  • O FireDrone também não pode permanecer no fogo por muito tempo, mas pode operar a 200°C por 10 minutos.

Nós o projetamos [aerogel] em uma geometria esférica para que a transferência de calor seja baixa. Nós integramos um cartucho de CO2 que pode resfriar as partes internas do drone, onde também estão localizados os motores. Portanto, os motores não estão na periferia, eles estão dentro da cápsula principal do drone. E por causa disso, o drone pode voar e operar de forma muito robusta em ambientes muito quentes e muito frios.

Mirko Kovac

A equipe afirma que agora estão trabalhando para conceber um sistema em que os FireDrones sejam pré-colocados em situações que exigem uma resposta rápida a incêndios, como instalações industriais ou fábricas.

Já assistiu aos novos vídeos no YouTube do Olhar Digital? Inscreva-se no canal!