Em todo planeta existem milhões de espécies de seres vivos diferentes, espalhados desde os lugares mais inóspitos da Terra a uma simples superfície. O surgimento de toda essa vida data de bilhões de anos atrás e a única evidência clara dessa gênesis é nossa própria existência. Isso deixa algumas dúvidas, e uma delas é se a vida surgiu de elementos inanimados apenas uma vez. 

Surgimento da vida

A vida se originou há cerca de 4 bilhões de anos a nível molecular, de forma que poucas evidências fósseis foram deixadas para trás. Atualmente o que se sabe é que ela surgiu de moléculas não vivas, no fundo do oceano em fontes hidrotermais.

Nesse período da história do planeta, a Terra era rica em vários compostos químicos, como os aminoácidos. Pesquisas anteriores apontaram que o ambiente primitivo permitia a formação desses compostos naturalmente, assim como eles podem ter chegado aqui através de meteoritos. 

Em algum momento essas moléculas se juntaram e formaram compostos mais complexos como proteínas, gorduras e ácidos nucleicos, como o RNA, um sistema de informações capaz de realizar reações em que produz cópias de si mesmo.

publicidade

Leia mais:

Durante as muitas multiplicações dessas moléculas, certas cópias tiveram erros ou mutações, algumas delas melhoraram a capacidade de replicação. Até que em determinado momento houve mais cópias mutantes, que também sofreram mutações e assim sucessivamente.

Uma das mutações provavelmente fez com que a molécula desenvolvesse uma capa lipídica a separando do ambiente externo, surgindo assim a protocélula, que permitiu que as reações de replicações acontecessem de forma e concentrada.

Mesmos nucleotídeos 

O processo de abiogênese pode ter acontecido várias vezes na Terra e até mesmo experimentos em laboratório conseguiram reproduzir etapas do surgimento da vida, indicando que elas podem ter acontecido mais de uma vez, mas não existem provas de que ela tenha acontecido no passado. 

A certeza é de que todos os seres vivos se originaram de um único ancestral comum, também conhecido como LUCA. Isso porque o código genético de toda vida na Terra é o mesmo, sendo os nucleotídeos A, T, C e G os blocos construtores do DNA de todos os seres vivos.Se existiu algum outro ser vivo ancestral, ele provavelmente não deixou descendentes.

Dessa forma, todos os seres vivos do planeta estão interconectados de algumas formas. Indo além do ancestral comum existente entre nós humanos e o chimpanzés, também existe um que nos liga ao alface e até mesmo às bactérias presentes no iogurte. Tudo isso graças a uma série ininterrupta de reproduções, mutações e seleção natural que vem acontecendo há bilhões de anos.

Já assistiu aos novos vídeos no YouTube do Olhar Digital? Inscreva-se no canal!