Restos de um alpinista alemão que sumiu em 1986 foram encontrados este mês na região da montanha Matterhorn, na Suíça, após o derretimento de uma geleira.

O que aconteceu:

  • O corpo foi descoberto por alpinistas que passavam pela geleira Theodul.
  • Uma bota e equipamentos de alpinismo surgiram no gelo e despertaram o interesse dos visitantes. 
  • Mais tarde, uma análise de DNA confirmou que o corpo era de um alpinista alemão desaparecido há quase 40 anos.
  • O alpinista tinha 38 anos quando desapareceu sem deixar rastros durante uma caminhada no gelo.
Bota e equipamento de escalada foram encontrados com restos do corpo na geleira Theodul, na Suíca. Imagem: Reprodução/POLÍCIA DA SUÍÇA/BBC

Leia mais:

Alerta para mudanças climáticas

A descoberta também serve de alerta. As geleiras alpinas estão encolhendo em ritmo ainda mais acelerado que o previsto e são muito mais sensíveis ao aquecimento global. A geleira Theodul, por exemplo, registrou recuo acentuado nas últimas décadas.

publicidade
Em 2022, especialistas ficaram perplexos com o recuo da metade do volume do gelo. Se o mesmo ritmo continuar, as galerias alpinas irão sumir até o fim do século. Imagem: Reprodução/Swisstopo e VAW/ETH Zurique

O derretimento do gelo também tem outras consequências. As geleiras alpinas são fundamentais para o meio ambiente no continente europeu, enchendo rios e fornecendo água para plantações. 

No ano passado, o derretimento foi tamanho que influenciou até na fronteira entre a Suíça e a Itália, dividia na direção em que a água derretida descia entre um país e outro. A retração da geleira mudou o ponto de drenagem. Por ora, os governos suíço e italiano negociam como a fronteira será redesenhada.

Este ano, a Suíça também passou por um dos junhos mais quentes da história. Julho manteve a tendência e pode se tornar o mês mais quente já registrado.

Com informações da BBC

Já assistiu aos novos vídeos no YouTube do Olhar Digital? Inscreva-se no canal!