Entre os restos mortais encontrados recentemente em uma caverna neandertal na França, estava um quadril que se assemelha ao de um bebê humano moderno. Essa descoberta, descrita em um artigo científico publicado sexta-feira (4) na revista Scientific Reports, surpreendeu os pesquisadores.

No entanto, depois de notar diferenças entre o fóssil e os neonatos mais recentes, os autores do estudo sugeriram que a criança pode fazer parte de uma linhagem inicial anteriormente desconhecida do Homo sapiens.

Conforme destaca o site IFLScience, a caverna Grotte du Renne é um dos sítios paleolíticos mais intrigantes da Europa, pois acredita-se que o local tenha sido habitado na época em que os humanos modernos começaram a substituir os neandertais. 

Isso porque, dentro da caverna, foi descoberto um grande número de ferramentas de pedra que são representativas do complexo tecnocultural Chatelperronense, que surgiu durante esse período de transição.

publicidade
Vista lateral (à esq.) e medial (à dir.) do: (a) ílio direito (espelhado à esquerda) recém-encontrado, (b) ílio esquerdo de um perinatal neandertal e (c) ílio esquerdo de um humano recém-nascido moderno. Crédito: Gicqueau, A., Schuh, A., Henrion, J. et al. / Nature, 2023.

Os especialistas se dividem sobre quais espécies inventaram essa indústria, com alguns acreditando que os neandertais a desenvolveram sozinhos, outros afirmando que foi obra de humanos anatomicamente modernos (AMH) e um terceiro grupo especulando que os dois hominídeos podem ter trabalhado juntos nisso. 

Curiosamente, até agora, apenas restos de neandertais haviam sido encontrados na camada Chatelperronense da Grotte du Renne, embora fósseis humanos modernos tenham sido observados em outras cavernas associadas a esses itens.

Leia mais:

Osso não se parece nem com o de bebês neandertais nem com o de neonatos modernos

Comparando o quadril recém-encontrado com os de dois bebês neandertais anteriormente escavados e com os de 32 bebês humanos falecidos recentemente, os autores do estudo observam que a forma difere significativamente do referencial neandertal, estando muito mais de acordo com a morfologia do AMH.

No entanto, o fóssil também é ligeiramente fora dos limites de variação observados em bebês humanos modernos, exibindo “uma espinha ilíaca posterior-superior orientada mais lateralmente”.

Os autores sugerem que isso se deve ao fato de o espécime pertencer a uma linhagem humana moderna cuja morfologia difere levemente dos humanos atuais. Observando que essa linhagem nunca foi documentada antes, os pesquisadores dizem que o bebê provavelmente era um membro das populações de AMH que coexistiram com os últimos neandertais durante a transição do Paleolítico Médio para o Superior, entre 41 mil e 45 mil anos atrás.

Além disso, a presença desses antigos humanos modernos na Grotte du Renne indica que eles podem ter coexistido com os neandertais na época em que a indústria Chatelperronense surgiu. 

Isso, por sua vez, implica que o desenvolvimento dessa indústria pode ter “resultado de processos de difusão cultural ou aculturação com possível mistura populacional entre os dois grupos”. Em outras palavras, os neandertais podem ter atualizado suas tecnologias depois de observar seus vizinhos humanos modernos, resultando em uma indústria híbrida que passou a dominar partes da Europa até os últimos neandertais desaparecerem.

Já assistiu aos novos vídeos no YouTube do Olhar Digital? Inscreva-se no canal!