A Petrobras testou a performance de um modelo de tecnologia eólica offshore inédita no Brasil, desenvolvido em parceria com a Escola Politécnica da USP. O cenário de aplicação reproduziu as condições ambientais e de mar típicas do pré-sal da Bacia de Santos.

Para quem tem pressa:

  • A Petrobras testou um novo modelo de tecnologia eólica offshore em parceria com a Escola Politécnica da USP e a UFRJ;
  • Os testes foram realizados em condições simuladas do pré-sal da Bacia de Santos para avaliar o desempenho de um sistema eólico flutuante em escala reduzida;
  • O teste analisou o comportamento do sistema frente às condições extremas do pré-sal, em profundidades acima de dois mil metros;
  • Se a tecnologia for viável, poderá ser implementada na Bacia de Santos, fornecendo até 15 MW de energia elétrica para plataformas do pré-sal;
  • Os resultados vão auxiliar na comparação com outras opções de descarbonização das operações da Petrobras.

O objetivo dos testes foi avaliar o desempenho de um sistema eólico flutuante em escala reduzida posicionado no tanque do Laboratório de Tecnologia Oceânica da COPPE/UFRJ. O sistema era composto por um aerogerador apoiado em uma estrutura semissubmersível de quatro colunas.

publicidade

Leia mais:

Se comprovada a viabilidade técnica e econômica da tecnologia, ela poderá ser implementada na Bacia de Santos (por isso o teste reproduziu as condições de lá), segundo a Petrobras.

publicidade

Tecnologia eólica offshore

Maior turbina eólica do mundo na China
(Imagem: Divulgação/Goldwind)

Em escala real, a capacidade de cada sistema flutuante será de até 15 MW, o que representa de 10% a 30% da energia elétrica necessária para abastecer uma plataforma do pré-sal.

Em uma aplicação offshore, os pesquisadores analisam o cenário de conexão do equipamento de geração eólica à plataforma ou a um sistema submarino – posicionado em águas profundas – por meio de um cabo elétrico (chamado umbilical elétrico) para prover a energia elétrica de baixo carbono para ativos de produção de petróleo e gás.

publicidade

Unimos forças com a USP e a UFRJ, duas das mais importantes universidades brasileiras, para testar uma tecnologia 100% nacional, de eólica offshore, capaz de reduzir as emissões em nossas plataformas do pré-sal. Esse projeto demonstra a importância das parcerias da Petrobras com a academia para impulsionar o movimento de transição energética no país, com grande potencial de deflagrar uma onda de inovação sem precedentes no Brasil.

Jean Paul Prates, presidente da Petrobras

O teste analisou o comportamento do sistema flutuante eólico diante das condições ambientais extremas do pré-sal, localizado em profundidades acima de dois mil metros.

O diretor de engenharia, tecnologia e inovação da Petrobras, Carlos Travassos, explicou que, com os resultados do teste, vai dar para comparar essa iniciativa com outras opções para descarbonização das operações de exploração e produção da Petrobras, “no que diz respeito ao suprimento energético das plataformas”.

publicidade

Já assistiu aos novos vídeos no YouTube do Olhar Digital? Inscreva-se no canal!