Geólogos que investigavam uma antiga região de mineração de carvão no sudeste da França, no intuito de detectar metano armazenado nas profundezas, ficaram surpresos ao encontrar o que pode ser o maior depósito de hidrogênio branco do mundo.

Se as estimativas estiverem corretas, a área abriga até 46 milhões de toneladas do gás, também chamado de hidrogênio natural, que poderia oferecer um combustível neutro em carbono, ajudando a União Europeia a parar de produzir e usar combustíveis fósseis poluentes. 

O local fica na Lorraine, uma região da França que já foi famosa pela mineração de carvão – agora mais conhecida pela quiche mesmo.

hidrogênio
Um gasoduto de hidrogênio, fonte de energia neutra em carbono, segura e independente. Crédito: Petrmalinak – Shutterstock

Quanto mais profundamente a equipe de geólogos da Universidade de Lorraine e do Centro Nacional de Pesquisa Científica da França (CNRS) sondava, maiores eram as concentrações de hidrogênio. 

publicidade

A 1.093 metros abaixo da superfície, os níveis estavam em cerca de 15%, passando para 20% a 1.250 metros. Os pesquisadores estimam que as concentrações podem chegar a 98% a uma profundidade de três mil metros, embora ainda não tenham chegado tão longe.

Leia mais:

O hidrogênio é o elemento mais abundante do universo, embora raramente seja detectado na forma pura, sendo mais comumente encontrado em combinação com outros elementos, como o oxigênio (para produzir água).

Hidrogênio branco é ainda mais ecológico do que o verde

Diferentemente do hidrogênio cinza ou negro, que são obtidos por meio de processos industriais que podem liberar carbono, o hidrogênio branco se apresenta em sua forma molecular natural. Por isso ele é tão atraente, já que não precisa de processamento e não produz emissões de gases de efeito estufa quando queimado, oferecendo assim uma potencial fonte de energia limpa.

“Esse gás é ainda mais ecológico do que o hidrogênio ‘verde’, que é produzido pela eletrólise da água usando eletricidade de energia renovável – solar ou eólica”, disse Jacques Pironon, diretor de pesquisa do laboratório GeoRessources da Universidade de Lorraine, em um comunicado emitido nesta segunda-feira (26).

Dessa forma, o hidrogênio branco tem o potencial de se tornar o combustível do futuro – no entanto, há grandes obstáculos a serem superados. O primeiro deles é que não existem atualmente estratégias claras para explorar esse gás.

Este depósito recém-descoberto na França, por exemplo, embora seja uma promessa de abundância, precisa ter a alta concentração comprovada. Só que as sondas atuais não conseguem ir além de 1.200 metros de profundidade. Além disso, há muitos pontos de interrogação sobre como esse combustível poderia ser aproveitado – e se haverá um mercado viável.