O Ministério da Justiça e Segurança Pública pretende lançar o “Celular Seguro”, uma plataforma para bloquear celulares em caso de furto ou roubo. A informação foi divulgada inicialmente pela Folha de S.Paulo e, depois, foi confirmada pela Agência Nacional de Telecomunicações (Anatel) ao Olhar Digital.

Para quem tem pressa:

  • O Ministério da Justiça e Segurança Pública planeja lançar uma plataforma para bloquear celulares em casos de furto ou roubo;
  • A plataforma incluirá um aplicativo e um site para que os usuários possam cadastrar previamente seus celulares, permitindo que pessoas de confiança realizem o bloqueio do aparelho;
  • O cadastro será feito através do aplicativo ou site, com autenticação via ambiente Gov.br do governo federal;
  • A iniciativa é uma parceria entre o ministério, a Febraban e a Anatel, com o objetivo de evitar que assaltantes acessem aplicativos bancários e informações pessoais dos usuários;
  • Também estão em andamento negociações com grandes empresas de tecnologia, como Google e Meta, para permitir o bloqueio do sistema operacional Android e redes sociais.

A ideia da plataforma (que teria um aplicativo e um site) é funcionar assim: o usuário cadastraria previamente seu celular e o de pessoas da sua confiança, para que esses conseguissem bloquear o aparelho. O ministério quer lançar a plataforma até o final de outubro.

Leia mais:

Plataforma para prevenir roubo de celular

Pessoa usando celular num dia ensolarado
(Imagem: Bicanski/Pixnio)

O procedimento de cadastro será realizado por meio do aplicativo ou site, com autenticação via ambiente Gov.br, do governo federal. Para o secretário-executivo da pasta, Ricardo Cappelli, o acréscimo de pessoas de confiança agiliza o bloqueio do aparelho, porque o usuário não vai precisar entrar em contato com bancos e operadoras para isso.

publicidade

A iniciativa é fruto de uma parceria da pasta com a Federação Brasileira de Bancos (Febraban) e a Anatel. Segundo Cappelli, o objetivo é evitar que os assaltantes tenham acesso a aplicativos bancários e informações pessoais, protegendo assim a integridade dos dados dos usuários.

Cappelli também revelou que estão em andamento negociações com gigantes da tecnologia, como Google e Meta, para possibilitar o bloqueio do sistema operacional Android e de redes sociais.

Na visão do secretário, essa inovação pode ter um impacto significativo na redução dos índices de roubo de celulares no país, sem a necessidade de confrontos ou violência.

Você desestimula o roubo. O ladrão não vai ter acesso nem aos apps e o aparelho vai valer R$ 10. Se o Google entrar, vai apagar o sistema operacional Android. Aí vira um pedaço de metal.

Ricardo Cappelli, secretário-executivo Ministério da Justiça e Segurança Pública