A inteligência artificial se integrou às nossas rotinas e não há como voltar atrás. Enquanto alguns especialistas divergem sobre qual o real risco da tecnologia (afinal, ela pode dominar o mundo?), é consenso que ela pode e deve impactar as próximas eleições, a partir de 2024. Até lá, é improvável que regulações tenham surgido e limitado as consequências da IA a tempo.

Um dos países preocupados com a presença da tecnologia nas eleições são os Estados Unidos, onde diversos casos de deepfakes eleitorais (áudios e vídeos falsos, com aspecto realista) já foram registrados. Por lá, alguns projetos de lei têm tentado limitar essas consequências, mas ainda dependem do compromisso pessoal dos candidatos e das campanhas.

Leia mais:

Deepfakes nos Estados Unidos

Alguns casos de deepfakes eleitorais já se tornaram famosos nos Estados Unidos.

publicidade

Um deles, ainda no ano passado, foi quando a campanha presidencial do governador da Fórida, Ron DeSantis, compartilhou uma imagem gerada artificialmente do ex-presidente Donald Trump abraçando o ex-conselheiro médico do país, Anthony S. Fauci. O abraço nunca aconteceu.

Um caso mais recente é do prefeito de Nova York, Eric Adams. Ele não fala espanhol ou mandarim, mas mensagens com sua voz falando ambos idiomas começaram a surgir para fazer propaganda eleitoral.

deepfake
Imagem: shuttersv / Shutterstock.com

Riscos da IA nas eleições

Um artigo do The Washington Post alertou para os riscos do uso da IA nas eleições, afirmando que, se o uso da tecnologia não for limitado, ela poderá ser usada para manipular cidadãos, tirando a credibilidade do sistema eleitoral.

O artigo ainda lembra que os casos registrados do uso de IA nas eleições foram desmascarados, mas questiona o que pode acontecer quando uma deepfake não for desvendada a tempo.

De acordo com uma pesquisa realizada pelo YouGov em agosto deste ano, 85% dos cidadãos dos Estados Unidos já estão “muito” ou “um pouco” preocupados com a propagação de deepfakes. 78% está preocupado com o uso da IA na propaganda eleitoral.

Print de vídeo contra reeleição de Joe Biden nos EUA
Vídeo com “Biden IA” levantou questões preocupantes sobre deepfakes em campanhas políticas (Imagem: Reprodução/YouTube)

Soluções para a IA

  • Alguns especialistas e políticos defendem que não há nada de errado em usar a IA nas eleições — até porque fingir que a tecnologia não existe e excluí-la das nossas rotinas já virou impossível. No entanto, isso deve ser feito com avisos.
  • A solução da deputada nova-iorquina Yvette D. Clarke inclui a rotulagem desses conteúdos e comunicações geradas artificialmente. Ela criou um projeto de lei sobre o uso em anúncios políticos.
  • Isso, na prática, pode minimizar as chances de uma pessoas ser manipulada, uma vez que ela sabe que cabe a ela checar a veracidade daquele conteúdo.
  • Já o artigo do TWP argumenta que a rotulagem não é suficiente, porque, com o tempo, podemos nos tornar cegos a elas.
  • Além disso, o jornal propõe alguns limites: que os candidatos não usem IA para deturpar o que um concorrente disse ou fez; que não usem IA para deturpar o que eles próprios fizeram; e não usar IA para confundir eleitores sobre como votar.