O público terá a oportunidade de ver pessoalmente um fragmento do asteroide Bennu quando o Instituto Smithsonian estrear sua exibição da amostra de rocha espacial retornada pela NASA. A instituição de Washington, D.C. (EUA) anunciou que seu Museu Nacional de História Natural revelará a rara rocha rica em carbono aos visitantes na próxima sexta-feira (3).

A exibição do Smithsonian acontece apenas 40 dias depois que a espaçonave OSIRIS-REx, da NASA, pousou com segurança sua cápsula de retorno de amostras no Utah Test and Training Range do Departamento de Defesa dos Estados Unidos.

Leia mais:

O pouso em 24 de setembro marcou o fim de uma viagem de sete anos de ida e volta até Bennu e a primeira missão de coleta de amostras de asteroides da agência espacial estadunidense.

publicidade

Amostra para estudo

  • Aparte a amostra para exposição, o Smithsonian também recebeu outra parte do asteroide para estudo;
  • As rochas de Bennu são pensadas para datar a formação do sistema solar há mais de 4,5 bilhões de anos;
  • Observações iniciais de telescópios de Bennu sugeriram que, ao contrário da maioria dos asteroides, ele é rico em carbono e provavelmente contém moléculas orgânicas semelhantes às que deram origem à vida na Terra embrionária.

Descobertas científicas

Cientistas da NASA que trabalham em laboratório especial construído no Johnson Space Center já encontraram evidências de elementos essenciais como carbono nas pequenas rochas depositadas fora do recipiente de amostra principal.

Essas primeiras amostras, menores do que um grão de arroz, também contêm minerais ricos em água. Os pesquisadores especulam que asteroides semelhantes, contendo água, bombardeavam a Terra bilhões de anos atrás, fornecendo a água que eventualmente formou os primeiros oceanos do planeta.

Exposição no Smithsonian

As amostras exibidas ao público ainda têm valor científico, mas são representativas de outras rochas semelhantes trazidas pelo OSIRIS-REx. O Smithsonian escolheu amostras que têm mais de uma cópia para não comprometer o valor científico das amostras mais valiosas.

A exposição também contará com modelos em escala da espaçonave OSIRIS-Rex e do foguete Atlas V 411, que transportou a espaçonave.

“Esta é nossa primeira oportunidade de compartilhar essa incrível jornada”, disse o curador de meteoritos do Museu Nacional de História Natural, Tim McCoy. Além do dia 3, a exposição deve, ainda, ser aberta ao público em datas a serem anunciadas na Universidade do Arizona e no Space Center Houston.