Astrônomos detectaram uma das explosões mais energéticas da história do Universo – um disparo de raios gama (GRB) lançado pela colisão de duas estrelas de nêutrons. O evento produziu metais pesados em volume equivalente a centenas de vezes a massa da Terra

A explosão foi detectada pela primeira vez em 7 de março, pelo Telescópio Espacial de Raios Gama Fermi, da NASA, sendo designada GRB 230307A. As GRBs são os eventos mais energéticos observados no Universo desde o Big Bang, podendo liberar em poucos segundos energia equivalente à que o Sol emitirá ao longo de toda sua vida, prevista para durar aproximadamente 10 bilhões de anos.

Explosões de raios gamas acontecem geralmente em duas situações: em supernovas e durante a colisão de estrelas de nêutrons, como a GRB 230307A. Segundo um artigo publicado na revista Nature, que descreve a descoberta, esta foi a segunda GRB mais poderosa já detectada – ficando atrás apenas de uma que atingiu a Terra em outubro do ano passado.

Uma das duas formas de explosão de raios gamas é a colisão de duas estrelas de nêutrons, como representado na imagem ilustrativa acima. Crédito: Robin Dienel/Instituição Carnegie para a Ciência

Leia mais:

publicidade

Detalhes sobre a explosão GRB 230307A

Segundo o artigo, a explosão durou 200 segundos, cerca de 100 vezes mais do que a maioria das GRBs produzidas por colisões de estrelas de nêutrons.

O brilho e a duração deste show de luz fizeram com que ele foi avistado por uma série de observatórios em solo ao redor do mundo, permitindo que os astrônomos identificassem sua localização: a constelação de Mensa, perto do polo sul celeste, a cerca de 900 milhões de anos-luz da Terra.

Os autores do novo estudo complementaram esses dados com observações do Telescópio Espacial James Webb (JWST), da NASA, que forneceram mais detalhes sobre o evento, como a existência do metal telúrio.

Aqui na Terra, o telúrio é mais raro que platina, mas acredita-se que exista em abundância em todo o Universo. Há algum tempo já se suspeitava que esse metal pesado se formava em colisões de estrelas de nêutrons, e a observação da GRB 230307A é a primeira confirmação disso.

 A equipe estima que a explosão produziu telúrio totalizando cerca de 300 vezes a massa da Terra, bem como elementos relacionados, como iodo.