O CEO do TikTok, Shou Zi Chew, se reunirá com o chefe da indústria da UE, Thierry Breton, a chefe digital, Vera Jourova, e o chefe antitruste, Didier Reynders, na próxima semana para discutir o papel da rede social na proliferação da desinformação sobre a guerra Israel-Hamas, conforme relatou a Reuters. 

Para quem tem pressa: 

  • O encontro acontecerá em Bruxelas, no dia 6 de novembro, próxima segunda-feira; 
  • Chew deve explicar aos comissários se e como a empresa está seguindo as novas regras de conteúdo online da UE, conhecidas como Lei de Serviços Digitais; 
  • A nova regra, que entrou em vigor este ano, exige que big techs façam mais para combater o conteúdo online ilegal e prejudicial em suas plataformas; 
  • A Comissão Europeia solicitou formalmente, em outubro, informações sobre como o TikTok estava lidando com o conteúdo que viola as políticas do bloco e a desinformação relacionados à guerra entre Israel e o Hamas — a Meta também foi notificada. 

Leia mais! 

Além de apresentar os métodos da plataforma ante a enxurrada de informações sobre o conflito Israel-Hamas, o CEO deve também atualizar os chefões sobre o regime de segurança de dados do TikTok, chamado Projeto Clover, que começou a armazenar dados de usuários europeus localmente este ano. 

publicidade

A empresa, que possui um data center em Dublin, na Irlanda, está construindo mais dois no território e também na Noruega — planos que vieram justamente para acalmar as autoridades no que diz respeito à privacidade de dados dos cidadãos europeus. 

A UE deu ao TikTok e à Meta até o dia 25 de outubro para responder ao pedido da Comissão Europeia, sob o risco de multa de até 6% do faturamento global delas em caso de violação das regras do bloco.

TikTok
Imagem: Ascannio/Shutterstock

As medidas do TikTok contra a desinformação

A rede chinesa chegou a listar as medidas contra os conteúdos com tema Hamas-Israel, afirmando que suas ações incluíam o lançamento de um centro de comando e o aprimoramento de seus sistemas automatizados de detecção para remover conteúdo gráfico e violento.  

Houve também a adição de mais moderadores que falam árabe e hebraico, além de aplicação da lei, conforme orientação de autoridades responsáveis. O aplicativo deve reforçar as medidas durante o encontro. 

Importante destacar que a atenção da UE está sobre o TikTok já há algum tempo. Uma pesquisa realizada em 2022 mostrou que a plataforma estava se tornando a fonte de notícias com maior crescimento no Reino Unido. Dados indicaram que quase metade dos usuários se voltavam aos tiktokers ao invés de buscarem o conteúdo de organizações mais convencionais de notícias. 

X também foi questionado 

Notificando todas as principais redes sociais, a UE também enviou um pedido semelhante ao X, antigo Twitter, cobrando a empresa de Elon Musk sobre “a disseminação de conteúdo terrorista e violento e discurso de ódio”. 

Vale lembrar que, após o movimento rígido da Europa, os EUA também questionaram não apenas a Meta, TikTok e X, mas o Google. 

 Segundo analistas, a guerra Israel-Hamas escancarou, mais uma vez, os desafios das empresas de tecnologia no sentido de minimizar a disseminação de conteúdo falso ou extremista. Em conflitos passados, as redes sociais foram fortemente criticadas por não agir contra a propagação desses conteúdos ou até mesmo por ser excessivamente zelosas, impedindo a circulação de informações verdadeiras. 

Além do conteúdo relacionado à guerra entre Israel e Hamas, as autoridades europeias estão investigando a Meta e o TikTok em relação à preservação da integridade das eleições. Essas respostas precisam ser enviadas até 8 de novembro.