O TikTok é uma rede social chinesa focada no compartilhamento de vídeos curtos. Anteriormente intitulada de Musical.ly, a plataforma disponibiliza variados recursos de edição para as mídias compartilhadas, possibilidade de interação com os produtores de conteúdo, e um alcance mundial de visualização. A seguir, confira mais informações sobre a rede social, sua trajetória, impacto e o seu funcionamento.

Leia mais:

publicidade

Trajetória, funcionalidades e impacto

Música é uma parte fundamental das trends do TikTok. Imagem: Wagner Edwards / Olhar Digital

De início, o que mais chamou a atenção sobre o TikTok foi a curta duração dos vídeos. Isso porque algumas plataformas já estabelecidas no mercado, como o próprio YouTube, permitiam o upload de conteúdos extensos. Então, a ideia de criar um vídeo de até 15 segundos parecia um desafio para os criadores de conteúdo –– que não perderem tempo em desenvolver a criatividade para compartilhar vídeos que atraíssem e cativassem o público.

Embora muito comparado ao Vine, um aplicativo mais antigo e que permitia o upload de vídeos com até seis segundos, o TikTok abriu passagem para outros tipos de conteúdos, como foi o caso das ‘dancinhas virais’: o usuário gravava a si próprio desempenhando passos simplificados de dança ao som de uma música que se ajustasse aos movimentos. Com o passar do tempo, este conteúdo se tornou um dos mais acessados e contribuiu para o crescimento da plataforma, a qual passou a atingir públicos mundialmente.

Assim como outras redes sociais, o TikTok permite o uso de filtros. Imagem: Wagner Edwards / Olhar Digital

Desde então, uma série de novas ferramentas foi instaurada no aplicativo, como filtros, efeitos, e até a projeção de personagens dentro dos vídeos; um exemplo deste último é a possibilidade de inserir o ogro Shrek dentro de um vídeo que você filma com a câmera traseira. Além disso, o tempo de criação para os conteúdos também aumentou: agora é possível filmar por 15 segundos, 60 segundos e 3 minutos. A popularização se tornou tão grande que outros aplicativos, como o CapCut (edição de vídeos) e o Resso (streaming de música), agora funcionam quase como “extensões” dentro do TikTok.

Outras mudanças, que impactaram diretamente no número de downloads nas lojas de aplicativos e na quantidade de conteúdo publicado, se referem à chance de ganhar uma renda extra dentro da plataforma.

Isso porque, para novos usuários, é possível adquirir moedas digitais: o dinheiro virtual é destinado a quem assistir e postar vídeos no app, além de compartilhar links únicos que trazem mais usuários para o aplicativo. Posteriormente, esta moeda é convertida em Real e depositada na conta bancária do usuário.

Também é possível ganhar dinheiro ao realizar lives: as transmissões ao vivo permitem aos espectadores enviarem itens digitais a quem realiza a live, e estes itens também são convertidos em dinheiro de verdade.

Ao longo dos anos, a rede social evoluiu e adicionou recursos como a live. Imagem: TikTok / Divulgação

Durante o início da pandemia de Coronavírus, por exemplo, muitas pessoas foram demitidas de seus empregos em todo o mundo. No Brasil, muitos viram o TikTok como um paliativo para auxiliar na arrecadação de dinheiro para comprar itens básicos, como água e gás, enquanto não encontravam novas oportunidades de trabalho. Nesse ritmo, tornou-se comum compartilhar links de cadastro entre amigos e familiares em outras redes sociais –– como Twitter, Facebook e WhatsApp –– a fim de garantir ainda mais dinheiro, embora também aumentasse, exponencialmente, o número de usuários ativos na plataforma.

O alcance da plataforma é tão grande atualmente que diversos nichos foram estabelecidos dentro do aplicativo, de maneira que o usuário pode consumir inúmeros conteúdos de assuntos com os quais mais se identifique, como dancinhas, beleza, memes, livros e muito mais.

E esse alcance também contribui para mudar a nossa realidade, pois popularizou as dancinhas entre crianças e adultos, que encenam os passos em, literalmente, qualquer lugar: escolas de Ensino Fundamental e Médio, faculdades, no meio da rua, dentro de restaurantes e até de hospitais.

As dancinhas são um dos motivos principais da popularidade da rede social. Imagem: YouTube / Reprodução

O TikTok ainda pode contribuir para a divulgação de produtos, como é o caso dos nichos de beleza e literatura. Muitas livrarias brasileiras, como Saraiva e Cultura, já têm estantes inteiras com as sugestões mais pautadas pelos “booktokers”: influenciadores digitais do TikTok que falam sobre livros. No ramo da beleza, a farmacêutica e produtora de conteúdo, Marina Cristofani, alavancou as vendas do hidratante CeraVe em todo o Brasil ao gravar um vídeo explicando o porquê preferia hidratar o rosto com a pele molhada e como este produto específico pode fornecer benefícios para isso.

A plataforma ainda passa por reformulações diariamente, a fim de manter o público atual e contribuir com novidades (como filtros e efeitos) para a criação de vídeos. Inclusive, uma das principais formas de reinventar os conteúdos é fornecida pelos próprios usuários, pois a plataforma disponibiliza para todos a possibilidade de criar novas ferramentas para auxiliar na difusão do conteúdo para o mundo todo.

Quais são as vantagens e desvantagens do TikTok?

CEO do TikTok testemunhará no Congresso sobre práticas da rede social nos EUA
Alguns países, como os Estados Unidos, querem banir o app do país. Reprodução: Ascannio/Shutterstock.com

Dentre as principais vantagens, destaca-se a capacidade de encontrar informações interessantes sobre quase qualquer nicho. Isto é, se você procura por mais informações sobre como dançar uma coreografia específica, dicas sobre edição de vídeos, conteúdos sobre treinos e dietas, dermacosméticos com ação anti-aging, ou qualquer outra coisa, as chances de encontrá-las no app são enormes. A plataforma funciona como uma grande difusora de conteúdo, e em virtude do grande contingente de usuários e de temas explorados, é fácil imaginá-la como um buscador online (tal qual Google e Bing).

Contudo, também há uma série de pontos negativos acerca dos vídeos disponibilizados no aplicativo. Talvez um dos mais sérios seja a ausência de verificação da autenticidade de informações publicadas; em outras palavras, não é difícil se deparar com fake news.

Como o programa funciona por meio de algoritmos, que estudam como você interage na rede social, facilmente diversos vídeos serão sugeridos no seu feed, os quais têm uma ligação direta com o tipo de conteúdo consumido anteriormente. Isso não seria um problema, caso todos os vídeos tivessem um selo de autenticidade sobre a informação disseminada no vídeo, como quando esta se referisse a assuntos importantes para a vida em sociedade, como vacinação, doenças, e política.

Além disso, o app foi banido ou teve as funcionalidades limitadas em alguns países, como Índia e Indonésia, após acusações de auxiliar na disseminação de cyberbullying e conteúdo pornográfico. Enquanto isso, outros países estudam a possibilidade de banir o aplicativo, como é o caso dos Estados Unidos, por acreditarem que o software entrega dados dos usuários ao governo chinês.

Já assistiu aos novos vídeos no YouTube do Olhar Digital? Inscreva-se no canal!