A OpenAI, dona do ChatGPT, anunciou novidades nesta segunda-feira (6) para seus dois grandes modelos de linguagem — GPT-3.5 e GPT-4 — e confirmou que começará a proteger clientes contra ações judiciais envolvendo direitos autorais.

GPT-4 Turbo

  • Em sua primeira conferência para desenvolvedores, a empresa também lançou o GPT-4 Turbo.
  • Atualmente disponível como prévia, ele foi treinado com informações mais atuais que datam até abril de 2023. 
  • A versão anterior do GPT-4, lançada em março, só aprendeu com dados até setembro de 2021. 
  • O novo GPT-4 também aceitará prompts com imagem, conversão de texto em fala e integrará recursos do DALL-E 3, permitindo executar tarefas mais complexas, diz a OpenAI. 
  • A OpenAI planeja disponibilizar a versão final do GPT-4 Turbo nas próximas semanas, mas ainda não forneceu uma data exata.

Leia mais:

As empresas que usam o modelo GPT-3.5 Turbo, lançado em março, também verão melhorias em funcionalidade e preços, diz a empresa.

Mais barato para desenvolvedores

A OpenAI confirmou que a nova versão do GPT-4 será três vezes mais barata que as anteriores e “verá” mais dados, com uma janela de contexto de 128K — o “equivalente a mais de 300 páginas de texto em um único prompt”.

publicidade

Na prática, isso significa que o grande modelo de linguagem entenderá melhor uma questão, além de gerar respostas mais contextualizadas. Até aqui, a OpenAI havia lançado duas versões do GPT-4: uma com janela de contexto de apenas 8K e outra de 32K. 

Proteção contra ações de direitos autorais

Além das melhorias, a OpenAI também confirmou que fornecerá indenização de direitos autorais a usuários corporativos por meio de um programa chamado “Copyright Shield”: “Agora interviremos e defenderemos nossos clientes caso enfrentem ações judiciais por violação de direitos autorais”, afirmou a empresa em comunicado. 

Vale destacar que o Google adotou a mesma abordagem. A gigante de buscas disse que assumirá responsabilidade legal se clientes que usam seus recursos de IA generativa forem processados ​​por violação de direitos autorais. A Microsoft também oferecerá as mesmas proteções para usuários corporativos do Copilot, seu assistente alimentado por IA.