Muita gente coloca o álcool como um fator propício para trazer um clima antes do sexo. Essas bebidas podem nos deixar mais leves e relaxados, por exemplo. Só que não é exatamente assim que funciona. Especialistas explicam que o consumo, na verdade, pode ser um vilão nesses momentos.

Apesar de ainda existirem poucas pesquisas sobre os impactos do álcool nas relações sexuais, alguns dados, obtidos em testes com ratos e pesquisa qualitativas, já indicam que beber demais pode causar a anorgasmia — inibição recorrente ou persistente do orgasmo. O assunto foi tema de um artigo do jornal The New York Times.

publicidade

Como o álcool afeta as relações sexuais?

  • Dodos obtidos de investigações sobre como o álcool afeta o sexo mostram que, quando ingerido em pouca quantidade, a bebida alcoólica pode deixar as pessoas mais relaxadas e aumentar a excitação.
  • O problema é quando o consumo da bebida é exagerado. Neste caso, pode afetar a libido e atrasar ou bloquear o alcance do orgasmo.
  • O álcool dá uma sensação de bem-estar ao liberar a dopamina no cérebro. E também amplia os efeitos do Gaba — ácido gama-aminobutírico —, que desacelera a atividade neural e causa relaxamento.
  • É como se deixasse o cérebro dormente, impactando o julgamento, a coordenação motora e as frequências cardíaca e respiratória. Assim, também impacta a capacidade do cérebro de receber e compreender informações.
  • Isso também inclui o processamento dos estímulos sexuais e o controle das contrações musculares, fundamental para o alcance do clímax sexual.

Leia mais:

A solução é banir o álcool da hora do sexo?

Entender se o álcool deve ou não entrar na sua relação sexual tem a ver com a frequência e a quantidade com que você bebe. Pequenas doses parecem não ter grandes efeitos. O grande problema está mesmo no exagero, segundo a Dra. Lauren Streicher, professora clínica de obstetrícia e ginecologia na Escola de Medicina Feinberg da Universidade Northwestern.

publicidade

Fatores como genes, estrutura corporal e histórico com a bebida estão correlacionados com a compreensão desses impactos. Segundo Catalina Lawsin, psicóloga clínica especializada em sexualidade, o excesso de álcool está ligado, inclusive, à disfunção erétil e à ejaculação precoce em homens. E, no caso das mulheres, pode diminuir o desejo sexual, afetar as respostas aos estímulos e dificultar o orgasmo.

Se estiver com problemas na vida sexual, procure ajuda

Emma Schmidt, sexóloga clínica em Cincinnati, disse ao The New York Times que perdeu a noção do número de clientes que atendeu por baixa libido e problemas de orgasmo. Muitos relatam que procuraram ajuda e ouviram dos médicos para “apenas relaxar e tomar uma taça de vinho”.

publicidade

Segundo Schmidt, caso esteja enfrentando problemas em alcançar o orgasmo, a orientação é procurar um médico da atenção primária ou um terapeuta sexual. Além do álcool, existem diferentes causas — problemas de saúde ou traumas — que podem afetar as relações.