No último sábado (18), o megafoguete Starship foi lançado pela segunda vez, decolando da Starbase, da SpaceX, em Boca Chica, no Texas. 

Quando a espaçonave estava a 122 metros de altitude, o propulsor Super Heavy explodiu logo após a separação dos estágios. O estágio superior atingiu uma altitude de 148 km antes de também experimentar o que a SpaceX chama de “rápida desmontagem não programada”.

Mesmo com esses dois incidentes, a SpaceX considera que o lançamento de teste foi bem sucedido. “Todos os 33 motores Raptor do Super Heavy Booster foram iniciados com sucesso e, pela primeira vez, completaram uma queima de duração total durante a subida”, diz um comunicado da empresa.

Enquanto fãs de voos espaciais e fotógrafos ao redor de Boca Chica apontavam suas câmeras para os céus para documentar o espetáculo, Scott Ferguson, astrofotógrafo dono do canal Astronomy Live, no YouTube, observava de muito mais longe com um tipo diferente de instrumento: um telescópio. 

publicidade

Diretamente de seu observatório caseiro na vila de Islamorada, em Florida Keys, a 1.345 km de Boca Chica, Ferguson capturou uma visão incrível do estágio superior do Starship explodindo no espaço suborbital.

Astrofotógrafo planejou por dois anos gravar lançamento do foguete Starship

Segundo relatado por ele ao site Space.com, tudo foi muito bem pensado. “Eu tinha planejado essa imagem nos últimos dois anos. Tive a ideia quando percebi que o Starship deveria voar perto o suficiente de Florida Keys para estar bem acima do horizonte durante a queima do segundo estágio”.

Quando soube que o foguete provavelmente seria lançado de Boca Chica durante o dia, Ferguson não tinha certeza se o veículo refletiria luz solar suficiente para ser visível de seu ponto de observação, mas achou melhor arriscar. 

O que ele mais precisava, era que o voo ultrapassasse pelo menos cinco minutos, atingindo assim uma altura ideal para que pudesse ser observado a partir de Florida Keys. “Minuto após minuto, eu continuava ouvindo relatos de que todos os motores ainda estavam funcionando no primeiro estágio”, relembra Ferguson sobre o rastreamento do foguete.

“Quando o primeiro estágio explode, isso não representa qualquer problema para mim; ele fez seu trabalho enviando Starship em seu caminho. Então, quando o Starship subiu, meu coração afundou quando eu não podia ver nada contra o céu azul. Quando pensei que tinha acabado, vi uma nuvem aparecer de repente na câmera do localizador. Eu sabia que tinha que ser o Starship, então eu rapidamente movi o telescópio com o joystick para colocá-lo no quadro”.

Leia mais:

SpaceX solicitou imagens

Neste momento, ele viu o estágio superior girando fora de controle, expelindo nuvens de gás em várias direções. “Percebi que a nuvem que vi era provavelmente o sistema de terminação de voo destruindo o veículo, mas me pareceu que a coisa toda ainda estava intacta. Só quando cheguei em casa e revisei as imagens é que percebi que era só a seção frontal do nariz e as abas dianteiras que ainda estavam relativamente intactas”.

Ferguson diz que enviou à SpaceX a versão estabilizada das imagens. “Só agora estou concluindo o upload do arquivo bruto original da câmera, para que eles possam realizar sua própria análise das imagens”.