Segundo indica o New York Times, o X (Twitter) pode perder até US$ 75 milhões em receita publicitária até o final do ano após a grande debandada de anunciantes na plataforma. Cálculo chega após o portal ter acesso a documentos internos que mostraram que mais de 200 empresas já deixaram a rede social.

O que aconteceu: 

  • Empresas e instituições estão pausando anúncios no X após um relatório do Media Matters for America, órgão de vigilância de mídia, mostrar que a publicidade da plataforma está sendo veiculada ao lado de posts antissemitas que elogiam a ideologia nazista e outros temas polêmicos;  
  • Entre as companhias que pausaram anúncios no X estão IBM, Apple, Disney, Paramount, Warner Bros, Sony, Lionsgate, Comcast e, a mais recente, Ubisoft — mas o NYT descobriu muitas outras que saíram sem alarde; 
  • A Apple e a Disney, segundo palavras de Elon Musk, CEO do X, eram os maiores anunciantes da plataforma; 
  • Algumas empresas também citaram a suspensão de anúncios com base em uma publicação de Musk no qual ele respondeu positivamente a teorias antissemitas violentas.     

Leia mais! 

De acordo com o NYT, que teve acesso a documentos internos do X, mais de 200 empresas suspenderam anúncios no X após a divulgação da pesquisa. Airbnb, Amazon, Coca-Cola e Microsoft estão entre elas. Há também uma lista com algumas que podem estar considerando a saída. 

publicidade

A empresa ainda não se pronunciou sobre o caso. 

Crise com anunciantes

Com a crise instalada, Musk decidiu entrar com um processo contra a Media Matters acusando-a de “fabricar, de forma consciente e maliciosa, imagens retratando postagens de anunciantes na plataforma de mídia social X ao lado de conteúdo marginal neonazista”. A ação visa responsabilizar o órgão pela perda da plataforma. 

Ao Engadget, a Media Matters chamou o processo de “frívolo” e uma clara tentativa de “intimidar os críticos do X e os silenciar”. O órgão se mostrou pronto para enfrentar a rede social no tribunal. 

Vale lembrar que não é de hoje que o antigo Twitter enfrenta problemas na divisão de publicidade, setor mais lucrativo no ramo on-line.  

Desde a aquisição por Musk, em novembro de 2022, o receio pela filosofia do bilionário de liberdade de expressão na rede social potencializou uma crise inicial de anúncios, gerando um declínio maior e mais rápido para a empresa.   

Segundo a Reuters, a receita publicitária da plataforma nos EUA diminuiu pelo menos 55% ano a ano a cada mês desde a compra pelo empresário.