Estrelas como o Sol raramente chegam perto umas das outras. Esses encontros cósmicos, cuja distância mais próxima é de cerca de 15 bilhões de km, ocorrem apenas a cada 100 bilhões de anos, ultrapassando em mais de sete vezes a idade atual do Universo. E a probabilidade de um desses encontros acontecer enquanto ainda existir vida na Terra é de apenas 1%, segundo estudos.

Mas, o que aconteceria se uma estrela intrusa invadisse o Sistema Solar? Um grupo de cientistas analisou várias possibilidades, relatando os resultados em um arquivo disponível no servidor de pré-impressão arXiv e já aceito para publicação pelo Monthly Notices of the Royal Astronomical Society.

Mercúrio se tornaria “bola de pinball” com invasão de estrela forasteira

Segundo a pesquisa, em 95% dos casos, nenhum planeta seria perdido durante o encontro. No entanto, nos 5% restantes, o caos prevalece. Em quase metade desses cenários, Mercúrio seria lançado em uma trajetória de colisão com o Sol.

Estudos anteriores sobre o tema sugeriram que uma perturbação mínima na órbita de Netuno poderia transformar Mercúrio em uma espécie de bola de pinball, possivelmente atingindo Vênus, Marte ou até mesmo a Terra. 

publicidade
A invasão de uma estrela errante poderia causar o caos no Sistema Solar, com a colisão entre os planetas e até com o Sol. Crédito: sdecoret – Shutterstock

Os pesquisadores observam que embora a evolução orbital dos planetas seja influenciada principalmente por fatores internos, a passagem de estrelas pode causar mudanças significativas.

Além disso, há cenários com probabilidades menores, como Marte, Vênus e até mesmo a Terra colidindo com o Sol ou outros planetas – esses são eventos, no entanto, extremamente improváveis.

Leia mais:

O estudo diz, ainda, que embora exista uma chance remota de a Terra ser lançada para uma órbita distante, aprisionada na nuvem de Oort, ainda conectada ao Sol, isso poderia estender sua habitabilidade por mais de um bilhão de anos, mas às custas dos outros planetas.

Felizmente, as chances de mudanças significativas no Sistema Solar causadas pela passagem de uma estrela forasteira são estatisticamente baixas. O progressivo aquecimento da Terra devido ao brilho do Sol e às emissões de carbono humanas é um curso mais provável para o caos do que uma mudança drástica devido a um encontro estelar.