Talvez uma das estruturas mais emblemáticas da física teórica, buracos de minhoca são uma solução provável para algumas equações da física de einstein. Capazes de conectar pontos distantes no espaço-tempo, os buracos de minhoca são lugar-comum na ficção científica moderna. Sejam como ferramentas de viagem no tempo ou apenas uma teoria capaz de resolver equações, essas estruturas tem cativado cada vez mais o mundo da física teórica.

Leia mais:

O que é a teoria do buraco de minhoca?

Na física teórica, buracos de minhoca são uma peculiaridade hipotética no tecido do espaço-tempo. Proposto pela primeira vez pelo físico teórico alemão Hermann Weyl em 1921, e posteriormente explorado em maior profundidade por Albert Einstein e Nathan Rosen em 1935, são conceitos derivados das equações da teoria da relatividade geral.

Em termos simples, a estrutura seria uma espécie de túnel ou atalho no espaço-tempo que, teoricamente, poderia ligar dois pontos no universo. Se pensarmos o espaço-tempo como uma folha de papel, e um buraco de minhoca seria como um túnel através dessa folha, permitindo viagens mais rápidas entre pontos que, de outra forma, seriam separados por vastas distâncias.

publicidade

Como são formados os buracos de minhoca?

shutterstock

Os buracos de minhoca, até agora, são apenas uma solução factível para equações da teoria da relatividade e sua formação é uma questão apenas especulativa e teórica na física. Até o momento não há evidências observacionais ou experimentais que confirmem a existência dessas estruturas. As teorias que exploram sua formação são baseadas em equações da teoria da relatividade geral de Einstein, mas sua validade ainda precisa ser comprovada.

Uma das teorias propõe que buracos de minhoca poderiam se formar durante o colapso de uma estrela para formar um buraco negro. A teoria diz que uma região dentro do buraco negro poderia se conectar a uma região fora do buraco negro. No entanto, as complexidades envolvidas nesse processo são grandes, e não está claro se tais estruturas seriam estáveis ou praticamente viáveis.

Porém, algumas propostas sugerem a possibilidade de criar buracos de minhoca por meio de manipulações controladas de campos quânticos e de energia exótica (matéria com massa negativa). No entanto, essa teoria é apenas uma possibilidade que não pode ser testada. As ferramentas necessárias para criar um em laboratório estão muito além das capacidades tecnológicas atuais. Além de que manipular um buraco de minhoca e levanta desafios fundamentais em termos de estabilidade e controle.

Até que mais pesquisas sejam realizadas e novas descobertas sejam feitas, a formação de buracos de minhoca permanece uma área intrigante, porém especulativa, da física teórica.

Para que servem os buracos de minhoca?

Buraco de Minhoca. Crédito: Pixabay

Se algum dia formos capazes de atingir o nível tecnológico necessário para que os buracos de minhoca sejam descobertos e possam ser estabilizados para aplicações práticas, várias possibilidades intrigantes poderão ser consideradas. Entre elas a criação de atalhos no espaço-tempo, permitindo viagens intergalácticas em tempos muito menores do que os necessários usando métodos convencionais. Isso abriria possibilidades para a exploração de sistemas estelares distantes de maneira mais eficiente.

Outra possibilidade bastante ventilada por cientistas é a do uso de buracos de minhoca como atalhos para a viagem no tempo. Ao manipular suas extremidades, teoricamente seria possível viajar para o passado ou para o futuro. No entanto, isso levanta questões complexas sobre paradoxos temporais e ainda não está claro se viagens no tempo seriam fisicamente viáveis.

Porém, a manipulação de buracos de minhoca apresentaria desafios éticos e teóricos significativos, como a prevenção de paradoxos temporais e a compreensão das implicações de interações com o espaço-tempo. A pesquisa nessa área continua sendo uma fronteira emocionante da física teórica, mas permanece em estágio inicial e especulativo.