O Google, Microsoft, Amazon e outras oito das maiores empresas tech do mundo assinarão, nesta quinta-feira (30), um novo acordo com o governo do Reino Unido. Segundo a Reuters, o documento intensifica os esforços do país contra a fraude on-line e pede que as companhias comprometam-se a bloquear e remover conteúdo fraudulento dos seus sites. 

O que você precisa saber: 

  • A chamada Carta de Fraude Online será assinada durante uma reunião presidida pelo ministro do Interior, James Cleverly, em Londres; 
  • O acordo voluntário também será assinado pelo eBay, Facebook e Instagram (Meta), LinkedIn (Microsoft), Match Group, Snapchat (Snap), TikTok (ByteDance) e YouTube (Google); 
  • As medidas incluem ter vias simples para denúncia de material fraudulento, trabalhar em colaboração com a polícia e aumentar os níveis de verificação nos mercados P2P (rede de computadores com dois pontos, sendo tanto servidor como cliente); 
  • O compromisso determina que as medidas sejam implementadas no prazo de seis meses. 

Leia mais! 

A fraude é agora o crime mais comum no Reino Unido, com os golpistas online visando os mais vulneráveis da sociedade. Ao unir forças com estes gigantes da tecnologia, continuaremos a reprimir os fraudadores, garantindo que não tenham onde se esconder online. 

Rishi Sunak, primeiro-ministro britânico, em comunicado. 

De acordo com o governo britânico, a fraude online é responsável por cerca de 40% de todos os crimes na Inglaterra e no País de Gales: quase 80% de todas as fraudes de pagamento por push autorizado (APP) vêm da internet. 

publicidade

A fraude por APP já é tão comum quanto os vírus e golpes na internet. Tudo isso graças à expansão de smartphones e dispositivos conectados.  

Conforme a Feedzai, empresa de ciência de dados que identifica transações de pagamento fraudulentas, só em 2020, o Reino Unido perdeu 479 milhões de euros (aproximadamente R$ 2,5 bi) em fraudes de APP. Os EUA também sofrem com a prática, que acaba caindo no “colo” dos bancos devido à pressão para reembolsar vítimas.