Uma série de animais já foram encontrados mumificados no Egito, como gatos, crocodilos, aves e leões, mas um dos mais inusitados talvez sejam as rãs e os sapos. No entanto, apesar de estranhos, esses animais possuem um simbolismo para os antigos egípcio ligado à vida pós-morte. 

Para quem tem pressa:

  • As figuras dos sapos no Antigo Egito era associada à duas divindades, a deusa Heqet, da fertilidade, o deus Ptah, dos artesãos;
  • Por causa disso, esses animais eram usados como amuletos vivos para atrair fertilidade;
  • No entanto, a descoberta dos sapos mumificados indica que eles também eram usados como amuletos no pós-morte, a fim de atrair renascimento, rejuvenescimento e proteção.

Sapos no Antigo Egito

No Antigo Egito, a figura dos sapos tinha duas divindades associadas. Uma delas é Heqet, uma deusa com cabeça de rã associada à fertilidade. Os egiptólogos acreditam que essa associação está ligada a cheia dos rios e a consequente chegada dos anfíbios. Assim, a produtividade agrícola, que dependia muito dos rios na antiguidade, foi creditada às rãs.

Outra divindade associada a sapos no Antigo Egito, é Ptah. Acredita-se que sua transformação de deus dos artesãos no abridor do mundo inferior, como deus da criação, seja inspirado no ciclo de vida desses animais, conhecido por sua metamorfose.

publicidade

Leia mais:

Múmia de rãs 

Por causa das representações e associações aos deuses, sapos vivos eram usados como amuletos para atrair fertilidade. No entanto, a descoberta de rãs mumificadas indica que eles também eram considerados amuletos na pós-vida.

Os sapos mumificados foram encontrados nas tumbas de Tebas, e os pesquisadores acreditam que elas foram enterradas juntas dos mortos para serem amuletos mágicos, com o intuito de renascimento, rejuvenescimento e proteção.