O ex-chefe de segurança do antigo Twitter, hoje X, está processando Elon Musk e o conselheiro da empresa Steve Davis. Alan Rosa alega que foi demitido injustamente por protestar contra as medidas de corte de custos lideradas pelo dono da rede social.

Leia mais

Corte de gastos

  • Segundo o processo, os cortes prejudicaram a capacidade do Twitter de cumprir as exigências regulatórias da Comissão Federal de Comércio (FTC) dos Estados Unidos e da Comissão Europeia.
  • Alan Rosa afirma que Musk contratou Steve Davis como conselheiro e lhe deu ampla autoridade, com a qual ele imediatamente “começou a cortar os produtos e serviços do Twitter que apoiavam e cumpriam o Decreto de Consentimento da FTC”.
  • A empresa havia entrado em um acordo com o governo dos EUA sobre o uso inadequado de informações pessoais dos usuários apenas alguns meses antes.
  • As informações são da The Verge.
Montagem de Elon Musk fazendo malabarismo com ícones do Twitter
(Imagem: TechCrunch/Getty Images)

Acusações contra Elon Musk

O processo observa que os cortes incluíram aplicativos usados para buscar vulnerabilidades de software e programas usados para responder a solicitações de informações policiais. Rosa diz se opôs a ambas as medidas porque isso impediria a empresa de cumprir tanto o Decreto de Consentimento quanto à Lei de Serviços Digitais da UE.

O ex-chefe de segurança também diz que Davis lhe pediu para “cortar o orçamento de segurança física em mais 50% até a meia-noite”. A medida, segundo ele, poderia violar ordens judiciais que determinavam o armazenamento de centenas de dispositivos que estavam sob custódia judicial.

publicidade

Ele ainda alega que foi demitido cinco dias depois que se opôs as mudanças. Não houve aviso prévio e a empresa não pagou nenhuma indenização alegando que investigava sua conduta como funcionário.

Antes do caso, Musk já havia demitido trabalhadores em massa. Há diversas denúncias de que a empresa não honrou com seus compromissos legais, como pagamento de rescisão, mesmo após determinação da Justiça.

A rede social nega as irregularidades e ainda não se pronunciou oficialmente sobre as denúncias do ex-chefe de segurança.