Com o crescente mercado de veículos elétricos chineses de baixo custo, as montadoras tradicionais estão enfrentando uma pressão crescente para desenvolver carros elétricos mais acessíveis do que inicialmente planejado. Essa corrida implica uma busca incessante por cortes de custos em diversos setores, desde fabricantes de materiais de bateria até produtores de chips.

Andy Palmer, presidente da startup britânica Brill Power, afirmou à Reuters que “as montadoras estão agora focadas em veículos mais acessíveis, cientes de que precisam se adaptar ou perderão espaço para os fabricantes chineses”.

A Brill Power, que desenvolveu hardware e software para melhorar o desempenho do sistema de gerenciamento de bateria de veículo elétrico, promete aumentar a autonomia em 60% e possibilitar o uso de baterias menores.

Leia mais:

publicidade

O receio de uma demanda enfraquecida devido aos altos custos dos elétricos intensifica a pressão por reduções de custo em toda a cadeia de produção.

A Renault anunciou um plano de redução de custos de 40% para seus veículos elétricos, visando a paridade de preços com modelos movidos a combustíveis fósseis. A Stellantis está construindo uma fábrica na Europa com a chinesa CATL para produzir baterias mais baratas, enquanto a Volkswagen e a Tesla trabalham em elétricos de 25 mil euros.

A General Motors também investe em tecnologias inovadoras para criar baterias mais acessíveis. As montadoras tradicionais querem reduzir o uso de terras-raras porque a China domina sua mineração e o processamento.

Redução de custos

  • Vincent Pluvinage, CEO da OneD Battery Sciences, destacou a importância de reduzir custos nas reuniões com montadoras europeias, enfatizando que “reduzir custos é agora mais importante do que qualquer outra coisa.”
  • A OneD propõe a adição de nanofios de silício ao material do ânodo da bateria de EV, prometendo economias significativas.
  • A Veekim, sediada na Alemanha, desenvolveu um motor elétrico com ímãs de ferrite, uma alternativa mais barata às terras-raras.
  • O CEO da Veekim, Peter Siegle, disse que usar ferrite mais barata e processos de baixo custo — incluindo fiação de cobre impressa em 3D — pode reduzir o preço de um motor EV em 20%. Os motores podem custar mais de 500 euros.
  • NXP e Siemens, empresas de chips e software, respectivamente, estão colaborando com montadoras para reduzir o número de unidades de controle eletrônico em veículos elétricos, enquanto Our Next Energy (ONE) nos Estados Unidos trabalha em baterias mais baratas.
  • A CelLink, em San Carlos, Califórnia, desenvolveu uma folha laminada para substituir chicotes de fios em veículos elétricos, reduzindo custos de produção.