Um estudo apresenta evidências do local onde um asteroide teria atingido a Terra há 789 mil anos. Os pesquisadores apontam que diversos resquícios do corpo celeste foram encontrados espalhados pelo Sudeste asiático, mas que a cratera correspondente ao impacto foi localizada no sul de Laos, país da região.

Leia mais

Sinais do impacto do asteroide estão espalhados

  • Conhecidas como tectites, as rochas negras de vidro com dimensões de até alguns centímetros formadas após o impacto do asteroide se espalharam até Madagascar, na África, e Antártica.
  • Esses materiais são recentes o suficiente para ainda serem visíveis em muitos lugares e ajudaram os pesquisadores a mapear o local da colisão.
  • Isso porque processos geológicos acabam enterrando as principais evidências de casos do tipo.
  • Foram décadas de buscas pela cratera.
  • As informações são da IFLScience.
Localização da cratera do asteroide (Imagem: Sieh et al, Proceedings of the National Academy of Sciences 2023)

Planalto de Bolaven, no sul de Laos

A combinação de condições geológicas, floresta tropical densa e uma das nações mais isoladas politicamente do mundo é provavelmente o que manteve o local escondido por tanto tempo. Uma equipe liderada pelo professor Kerry Sieh, da Universidade Tecnológica de Nanyang, observou que “munições não detonadas dificultaram o trabalho de campo por décadas” após as guerras da região.

No entanto, alguns segredos podem ter se perdido para sempre. Já em 1983 tinha sido observado um depósito de cascalho logo abaixo de tectites no Vietnã. A teoria mais aceita é que os materiais foram arremessados para a região pelo impacto do asteroide .

publicidade

Com essas pistas, os pesquisadores chegaram até a região sul de Laos e identificaram uma camada de rochas formadas por arenito antigo e lava basáltica. Por fim, concluíram que a cratera está dentro do Campo Vulcânico de Bolaven.

Eles alegam que embora as tectites sejam encontradas a milhares de quilômetros de distância, elas são mais abundantes naquela região. O estudo foi publicado na revista Proceedings of the National Academy of Sciences.