Uma vacina experimental contra o melanoma desenvolvida pela farmacêutica Moderna pode estar disponível para uso em apenas dois anos. Isso representaria um importante passo contra a forma mais grave do câncer de pele.

Leia mais

Vacina reduziu risco de morte pela doença

Recentemente, os resultados dos ensaios clínicos mostraram uma melhora nas possibilidades de sobrevivência de pacientes, graças à vacina da Moderna. A tecnologia utilizada no imunizante é o RNA mensageiro (RNAm).

Em um estudo com 157 pessoas com melanoma avançado, a vacina, em combinação com o fármaco de imunoterapia Keytruda, do laboratório MSD, reduziu o risco de morte em 49% dos casos durante um período de três anos.

publicidade

Em 2022, a Moderna já havia anunciado resultados de acompanhamento de dois anos que mostraram uma redução do risco de 44%.

A diferença na sobrevivência está crescendo. Quanto mais passa o tempo, mais se vê essa vantagem. Temos uma a cada duas pessoas que sobrevive, em comparação com o melhor produto do mercado, o que, em oncologia, é enorme.

Stéphane Bancel, CEO da Moderna

Já a taxa de efeitos colaterais não aumentou nos novos testes. As informações são de O Globo.

(Imagem: Inside Creative House/Shutterstock)

Próximos passos

  • Em 2024, a Moderna vai realizar um estudo mais amplo com o imunizante.
  • Cerca de mil pessoas devem participar da fase 3 dos testes, o que podem acelerar o processo de autorização para o uso da vacina, conhecida como ARNm-4157m.
  • Tanto a Food and Drug Administration dos Estados Unidos (FDA) como a Agência Europeia de Medicamentos colocaram a terapia em uma via de revisão acelerada.
  • Os órgãos são semelhantes à Anvisa no Brasil.
  • Para se preparar para o lançamento da vacina no mercado, a Moderna está construindo uma nova fábrica em Massachusetts para ter um fornecimento abundante, um requisito da FDA.
  • A esperança da empresa é combinar essa nova vacina contra o câncer com “biópsias líquidas”, testes inovadores que detectam sinais de tumores pela análise de sangue, e que começaram a estar disponíveis nos Estados Unidos.
  • Quanto mais rápido puder se detectar o câncer, melhor funcionarão os novos medicamentos da Moderna.
  • Outras empresas, como a BioNTech, também estão trabalhando em vacinas terapêuticas individualizadas contra a doença.
  • Apenas em 2020 foram registrados, em nível mundial, 325 mil novos casos e 57 mil mortes causadas pelo câncer de pele.
  • Segundo o Instituto Nacional do Câncer (Inca), são 8.980 casos e 1.832 mortes por ano no Brasil.