Uma análise recente de dados sísmicos do sul do Tibete mostrou que a placa tectônica indiana está quebrando em duas. Isso acontece conforme as dinâmicas do manto terrestre fazem ela se mover cada vez mais em direção à placa tectônica acima dela, a da Eurásia, movimento que deu origem à Cordilheira do Himalaia e ao Monte Everest há milhões de anos. Ao mesmo tempo, outra parte dela afunda.

Leia mais:

Movimentação das placas tectônicas da Índia e Eurásia

  • Na conferência da União Geofísica Americana, que aconteceu em dezembro do ano passado em São Francisco, pesquisadores descreveram uma desintegração da placa continental indiana à medida que se movia em direção à Eurásia.
  • Anteriormente, o movimento das correntes de lava no manto terrestre já havia empurrado a placa indiana para debaixo da Eurásia – e vem fazendo isso há cerca de 60 milhões de ano. Isso provocou elevações nesta última, que coincidiram com o planalto tibetano e deram origem ao Monte Everest, o maior do mundo.
  • Alguns estudos sugerem que a placa indiana não deveria afundar facilmente a ponto de ainda manter o movimento ativo – mas é isso que está acontecendo.
  • Segundo o site Science Alert, outra possibilidade é que a placa tectônica esteja distorcida de alguma forma, fazendo com que algumas partes irregulares afundem e provoquem o movimento.
(Imagem: Rainer Lesniewski/iStock/Getty Images)

O que está acontecendo

Com essa possibilidade em mente, uma investigação da Ocean University of China reuniu dados do movimento das placas tectônicas, conhecidos como “ondas S” e “ondas de cisalhamento” (perpendiculares e laterais, respectivamente, responsáveis pelo “para cima e para baixo”). As informações vieram de 94 estações sísmicas espalhadas de leste a oeste no sul do Tibete.

Então, eles combinaram as informações dessas duas ondas com uma terceira, a “onda P” ( a de “vai e vem”) para entender a dinâmica dessas placas tectônicas.

publicidade

O que eles descobriram é que nenhuma das hipóteses anteriores estava correta; a placa indiana não está balançado abaixo da Eurásia e nem é distorcida. Na verdade, ela está se dividindo em duas. Uma das partes é mais densa e está afundando no manto terrestre, enquanto a parte mais leve continua abaixo da superfície.

Apesar da teoria das placas ser conhecida, essa é a primeira vez que o movimento é comprovado de forma empírica.