Pesquisadores encontraram evidências de que a erupção de um vulcão subaquático nas proximidades da ilha grega de Santori foi uma das maiores já registradas e 15 vezes mais poderosa do que a do vulcão Hunga Tonga-Hunga Ha’apai, em 2022. O evento de 520 mil anos atrás foi cataclísmico.

Leia mais

Atividades vulcânicas na região de Santorini

  • Pesquisas já detalharam as atividades vulcânicas passadas em todo o Arco das Ilhas Helênicas, uma série de ilhas vulcânicas que se estendem da Grécia à Turquia ao longo de uma linha curva onde a placa tectônica africana se encontra com a Europa.
  • Os geólogos também confirmaram que Santorini emergiu do mar há cerca de 400 mil anos, quando sucessivas erupções empilharam detritos vulcânicos no fundo do mar.
  • O atual arquipélago formou-se durante o final da Idade do Bronze, entre 1.600 e 1.200 a.C., quando o que se chama de Erupção Minoica explodiu o topo da ilha.
  • Uma câmara de magma sob as ilhas Kameni, no centro da caldeira de Santorini, ainda alimenta o vulcão atualmente.
  • As informações são da Live Science.
Pontos vermelhos mostram onde foram encontradas evidências da grande erupção (Imagem: Druitt et al./Communications Earth & Environment)

Uma das maiores erupções da história

Uma equipe de pesquisadores perfurou sedimentos marinhos na ilha de Santorini entre 2022 e 2023 e recuperou amostras a 900 metros de profundidade, em 12 sítios submarinos diferentes. Além de camadas vulcânicas das erupções já conhecidas, foi encontrada uma camada de pedra-pomes e cinzas vulcânicas de 150 metros de espessura.

Essa evidência aponta para um evento de grandes proporções há meio milhão de anos, provavelmente uma das duas maiores erupções que já se viu. Na erupção em questão, foram expulsos 90 quilômetros cúbicos de rochas vulcânicas e cinzas. Esse número é muito superior aos 6 quilômetros cúbicos do vulcão de Tonga, que quebrou vários recordes, provocando as ondas atmosféricas mais rápidas já vistas e o primeiro megatsunami conhecido desde a antiguidade. Além disso, é comparável, e até mesmo ultrapassa, as lendárias erupções do vulcão Krakatoa, na Indonésia.

publicidade

Sabemos que este vulcão teve muitas erupções grandes e explosivas – uma espécie de estilo Krakatoa. Mas os depósitos recém-descobertos apontam para uma explosão cataclísmica que nem sabíamos que existia.

Tim Druitt, professor de vulcanologia da Universidade de Clermont Auvergne, na França, e principal autor do estudo

Segundo os cientistas, uma erupção como essa não deverá acontecer novamente por centenas de milhares de anos. O vulcão de Santorini entrou em atividade pela última vez em 1950, mas sem oferecer perigos significativos. No entanto, pequenas erupções e explosões podem acontecer por algumas décadas ou séculos.

O estudo sobre o vulcão de Santorini foi publicado na revista Communications Earth & Environment.