A Inteligência Artificial Geral, ou AGI, é um conceito fascinante que permeia as discussões sobre o futuro da inteligência artificial. Embora ainda esteja no campo teórico, a AGI representa a possibilidade de criar uma inteligência artificial com capacidades cognitivas semelhantes ou até superiores às humanas.

Leia também:

Vamos entender melhor que é o conceito de uma AGI, quais são as dificuldades até chegar a este nível, o quão longe estamos disso e as diferenças para as tecnologias atuais.

O que é AGI?

A sigla AGI representa “Artificial General Intelligence”, traduzida como Inteligência Artificial Geral. O conceito refere-se à teoria de uma IA com capacidade cognitiva equiparável ou ligeiramente superior à dos seres humanos. Isso significa que a AGI teria a habilidade de agir como uma pessoa, aprendendo, respondendo e raciocinando sobre uma ampla gama de temas.

publicidade

Atualmente, a AGI permanece no campo teórico, levantando questões sobre como ela deveria ser desenvolvida. Alguns defendem a ideia de que ela deve ser equivalente a um cérebro humano, enquanto outros discutem a possibilidade de uma IA que corresponda cognitivamente a toda a humanidade.

Essas discussões destacam tanto as promessas quanto os receios associados ao desenvolvimento da AGI, incluindo a preocupação de que uma IA com poder comparável ou superior ao cérebro humano poderia representar uma ameaça à existência humana se não for adequadamente controlada.

Empresas como a OpenAI, criadora do ChatGPT, estão envolvidas em pesquisas que buscam desenvolver a inteligência artificial de maneira benéfica para a humanidade, buscando garantir que a AGI beneficie a sociedade como um todo.

Inteligência Artificial geral
Imagem: Sutthiphong Chandaeng/Shutterstock

Diferença entre AGI e tecnologias atuais

É importante destacar que tecnologias atuais, como ChatGPT, Aria e Bard, não são consideradas AGI. Essas IAs generativas representam avanços significativos, mas ainda estão longe de alcançar a categoria de AGI. A diferença reside no funcionamento dessas ferramentas, que, segundo especialistas, operam com base em probabilidades matemáticas para prever a próxima palavra ou resposta, em contraste com a capacidade de raciocínio em tempo real e abrangência cognitiva que se espera de uma AGI.

Obstáculos para Alcançar a Inteligência Artificial Geral

O caminho para alcançar a AGI envolve desafios consideráveis nas áreas de hardware e software. Em termos de hardware, é necessário desenvolver supercomputadores capazes de suportar o processamento e treinamento exigidos pela AGI. Os modelos atuais já demandam grandes redes de computadores, e avançar para tecnologias mais poderosas requererá investimentos substanciais.

Na esfera de software, a construção de novos algoritmos e modelos de IA é crucial. Isso inclui o desenvolvimento de formas inovadoras de alimentar a inteligência artificial com informações, testes de cognição e inteligência, além da criação de algoritmos para permitir o treinamento da AGI. É um processo complexo que vai além de simplesmente fornecer à IA todo o conhecimento disponível, exigindo uma abordagem mais direcionada e organizada.

Estimativas sobre o desenvolvimento

As expectativas em relação à chegada da AGI são mantidas a longo prazo, mas recentes evoluções no mercado podem acelerar o processo. A OpenAI sugere que uma IA superior à mente humana poderia surgir a partir do final desta década. No entanto, isso ainda depende do avanço e treinamento de outras tecnologias.

A DeepMind, divisão de IA do Google, expressa uma visão semelhante. O CEO Demis Hassabis mencionou em uma entrevista de 2023 que a AGI poderia surgir em questão de anos. Essas estimativas, no entanto, são acompanhadas por debates sobre os métodos de pesquisa e treinamento utilizados, com algumas vozes defendendo um desenvolvimento gradual e cuidadoso.

A abordagem da OpenAI destaca cronogramas mais curtos, facilitando a coordenação e reduzindo a sobrecarga computacional. Isso permite testes mais lentos, dando tempo para descobrir empiricamente como abordar problemas de segurança e se adaptar às complexidades da AGI.

Ilustração de silhueta de pessoa com chip no lugar do cérebro para representar conceito de inteligência artificial
(Imagem: Pedro Spadoni via DALL-E/Olhar Digital)

Riscos e Benefícios da AGI

A perspectiva de uma inteligência artificial geral traz consigo uma série de riscos e benefícios. Em termos positivos, uma AGI com níveis de cognição comparáveis aos humanos poderia impulsionar o desenvolvimento da sociedade.

Ela poderia oferecer insights valiosos, simplificar processos, tomar decisões informadas e fornecer soluções criativas para uma variedade de problemas. Se integrada adequadamente, a AGI poderia influenciar setores empresariais, ações governamentais e até mesmo facilitar a vida cotidiana das pessoas.

Por outro lado, os riscos associados à AGI são significativos. O desenvolvimento acelerado da tecnologia a um ponto em que ela se torne mais inteligente do que os humanos pode resultar em perda de controle, um cenário que lembra filmes de ficção científica apocalípticos como Matrix e O Exterminador do Futuro. A imprevisibilidade de como a AGI será usada e quais interesses ela poderia defender representa um desafio considerável.

Além disso, a AGI enfrenta obstáculos regulatórios, semelhantes aos enfrentados pela inteligência artificial atual. Questões como regulamentação, prevenção de viés e alucinações em respostas devem ser abordadas para garantir um uso ético e seguro da tecnologia. A atuação humana no treinamento é crucial para evitar resultados indesejados, como exemplificado pela evolução do ChatGPT ao longo do tempo.

Em resumo, a AGI representa uma fronteira desafiadora na evolução da inteligência artificial. Embora permaneça no domínio teórico, as discussões e avanços atuais indicam que a AGI pode se tornar uma realidade em um futuro distante.

O desenvolvimento de supercomputadores, algoritmos avançados e a abordagem ética são fundamentais para superar os obstáculos e garantir que a AGI beneficie a humanidade de maneira positiva. No entanto, é imperativo lidar com os riscos associados, incluindo a perda de controle e o uso indevido da tecnologia, para assegurar que a AGI contribua para o progresso humano sem comprometer a segurança e o bem-estar da sociedade.