Os parques eólicos offshore estão se espalhando nos Estados Unidos, como parte da proposta do presidente Joe Biden de implantar 60 GW de energia eólica offshore até 2030. No entanto, as instalações podem afetar a vida marinha e a preocupação aumenta já que os mares norte-americanos são lar de uma espécie ameaçada de baleias.

Para diminuir o impacto na fauna, duas agências ambientais dos Estados Unidos começaram a usar IA para monitorar o impacto dos parques nos animais.

Leia mais:

IA para monitorar vida marinha e baleias ameaçadas

A Bureau of Ocean Energy Management (BOEM) e a Administração Nacional Oceânica e Atmosférica (NOAA) dos Estados Unidos comunicaram uma estratégia conjunta para proteger as baleias-francas do Atlântico Norte. Segundo o site Electrek, são apenas 360 delas no mundo.

publicidade

A abordagem vai usar IA e monitorização acústica para rastrear onde as baleias estão em um determinado momento e, depois, analisar como a instalação das usinas e suas consequências, como o vento, as impactou.

A estratégia ainda inclui medidas para evitar a construção de parques eólicos offshore em locais onde as baleias podem estar, estabelecer limites de ruído durante a construção e desenvolver tecnologias mais silenciosas que não impactem a vida marinha.

Imagem: Ole Jørgen Bratland/Equinor

Contexto dos parques eólicos offshore

  • O projeto vem em meio ao incentivo da ampliação da energia eólica no país, inclusive com parques offshore.
  • Em setembro de 2023, haviam 30 áreas desse tipo ao longo da Costa Leste dos EUA, onde as baleias ameaçadas vivem.
  • A diretora do BOEM, Elizabeth Klein, disse em comunicado que a administração de Biden quer que o desenvolvimento seja feito de forma responsável e o projeto permite proteger a baleia-franca do Atlântico Norte ao mesmo tempo que cumpre os objetivos eólicos offshore.
  • Segundo a agência Associated Press, a estratégia aconteceu próxima do anúncio de que a empresa Equinor e a gigante de energia BG estão buscando concessões para projetos eólicos offshore em Massachusetts e Nova York, respectivamente, que deve movimentar milhões de dólares.