A fusão nuclear pode revolucionar pode a produção de energia no mundo e um passo importante para isso foi anunciado no final de 2022 pelo Laboratório Nacional Lawrence Livermore (LLNL), que atingiu o ponto de equilíbrio com um projeto que gerou mais energia do que consumia em uma técnica que envolvia lasers.

Na época do anúncio, o estudo ainda estava em pré-impressão e membros da comunidade científica chegaram a afirmar que estavam céticos com o resultado. Pouco mais de um ano depois, entretanto, mais estudos externos confirmaram a descoberta revolucionária. Os artigos foram publicados no Physical Review Letters nesta segunda-feira (5).

O que você precisa saber?

  • Em 2022 cientistas anunciaram um marco na produção de energia por fusão nuclear;
  • Mais estudos agora confirmam os dados divulgados na época;
  • Apesar de revolucionário, o sistema ainda está longe de se tornar realidade.

“Esta conquista é o culminar de mais de cinco décadas de pesquisa e prova que a fusão laboratorial, baseada em princípios fundamentais da física, é possível”, escrevem os membros da equipe da Colaboração Indirect Drive ICF (fusão por confinamento inercial) no primeiro de cinco papéis.

Entenda a pesquisa sobre fusão nuclear

Em 2022, o laboratório anunciou que  “esse é um grande progresso científico em desenvolvimento que abrirá caminho para avanços na defesa nacional e para o futuro da energia limpa”. Essa foi a primeira vez em que um sistema de fusão nuclear produziu mais energia do que a consumida. Para isso os cientistas bombardearam uma cápsula contendo míseros 220 microgramas de deutério e trítio combustível com 192 lasers de alta potência.

publicidade

Essa alta pressão de mais de para 600 bilhões de atmosferas e a temperatura para 151 milhões de °C , sendo condições mais extremas que as do Sol. os átomos de deutério e trítio fundem-se em hélio e liberam energia. 

Leia mais:

Os lasers dispararam 2,05 megajoules (MJ) de energia no combustível, resultando na libertação de 3,15 MJ – portanto, cerca de 1,5 vezes mais energia foi produzida pela reação do que foi entregue ao combustível. Outros estudos do ano passado conseguiram números ainda mais impressionantes.

Isso não significa, entretanto, que essa tecnologia esteja perto de se tornar sustentável. A quantidade de energia necessária para dar ignição no sistema é mais alta do que a capacidade de geração elétrica atual. Mas os resultados não deixam de ser animadores.

“Há uma chance de termos fusão”, disse Martin Freer, físico nuclear da Universidade de Birmingham, a Matthew Sparks da New Scientist . “Mas os desafios que temos são bastante íngremes, cientificamente.”

Lembrando que esse processo é totalmente diferente da fissão nuclear, usada nas usinas tausi. Enquanto a fusão é limpa e não deixa resíduos, a fissão gera detritos que podem durar uma eternidade.

  • Fusão nuclear é o processo no qual dois ou mais núcleos atômicos se juntam e formam um outro núcleo de maior número atômico.
  • A fissão nuclear é o oposto disso. Nessa, os átomos pesados se separam. Gerando detritos.