Em 16 de novembro, celebramos 50 anos desde a transmissão icônica da mensagem de Arecibo, deliberadamente enviada ao espaço pelo radiotelescópio de mesmo nome em Porto Rico. Esta iniciativa, ocorrida em 1974, representou o primeiro envio intencional de uma mensagem codificada para o espaço sideral, mas o que dizia essa mensagem?

Leia mais:

O radiotelescópio de Arecibo está localizado em Porto Rico, na região de Arecibo, especificamente dentro de uma cratera meteorítica oculta na selva densa da ilha caribenha. Apresentando um imponente prato de 300 metros de diâmetro, esse colosso da engenharia era, até 2016, considerado o maior rádio telescópio construído pela humanidade. Durante os anos em que esteve ativo, a principal função do radiotelescópio de Arecibo foi conduzir pesquisas astronômicas avançadas.

Sobre o radiotelescópio de Arecibo

Construído entre os anos de 1960 e 1963. O projeto foi liderado pelo engenheiro William E. Gordon. Concluído e inaugurado no final de 1963, o radiotelescópio de Arecibo rapidamente se tornou uma ferramenta essencial na pesquisa astronômica. Além disso, o radiotelescópio foi fundamental na iniciativa SETI (Search for Extraterrestrial Intelligence). Ampliando suas capacidades após a reforma em 1974 para incluir a busca por sinais de vida inteligente além da Terra.

publicidade

Para comemorar a sua reinauguração após a resposta, foi acordado que o rádio telescópio seria o responsável pelo envio da primeira mensagem intencional da humanidade para o cosmos. A criação dessa mensagem foi liderada por Frank Drake, notório por desenvolver a Equação de Drake, que estima a probabilidade de existência de civilizações inteligentes na galáxia. Colaborando com Drake estava Carl Sagan, entre outros. A transmissão ocorreu durante a reinauguração do radiotelescópio.

A famosa mensagem enviada ao espaço

Mensagem de Arecibo
Mensagem de Arecibo Foto: Wikimedia commons

A mensagem em si, composta por 1.679 dígitos, foi codificada em uma matriz de 23 colunas por 73 linhas, resultando em 210 bytes. Transmitida em cerca de três minutos, a mensagem continha informações simbólicas, como sequências binárias representando números de 1 a 10 e os elementos químicos do DNA em código binário. As representações visuais incluíam a dupla hélice da molécula de DNA, a silhueta humana, e até mesmo dados demográficos da população mundial em 1974.

Embora a intenção inicial da mensagem não fosse estabelecer comunicação, mas sim marcar a reinauguração do radiotelescópio, ela permanece como um fascinante testemunho da vontade humana de enviar mensagens interestelares. Além dela as mensagens da Pioneer e os discos da Voyager são tentativas famosas de enviar mensagens sobre nossa existência para o cosmos. A bordo das sondas Pioneer 10 e 11, lançadas em 1972 e 1973, foram anexadas placas metálicas banhadas a ouro, projetadas pelo astrônomo Carl Sagan e sua equipe.

Reprodução da ilustração nas placas das espaçonaves Pioneer 10 e 11. (Imagem: NASA)

Essas placas continham representações gráficas simples, como a silhueta de um homem e uma mulher, um mapa estelar indicando a posição do Sol em relação a pulsares conhecidos, além de símbolos que representam elementos químicos fundamentais. Já nas sondas Voyager 1 e 2, lançadas em 1977, foram incluídos discos de ouro, conhecidos como Discos de Ouro da Voyager, contendo uma ampla gama de sons, imagens e saudações em diversos idiomas terrestres.

Atualmente, apesar da continuidade dos esforços para enviar mensagens codificadas a sistemas estelares promissores, ainda aguardamos uma resposta de possíveis civilizações extraterrestres. Assim, a Mensagem de Arecibo permanece como um notável registro histórico de nossa curiosidade, criatividade e desejo de explorar o desconhecido, mesmo que o destinatário esteja a 25 mil anos-luz de distância.