O cenário desafiador do design de chips está encontrando novas soluções por meio da inteligência artificial (IA) generativa. Em um contexto onde a demanda por chips avançados cresce constantemente, empresas como Nvidia e Synopsys, junto a acadêmicos, estão explorando como a IA pode agilizar e simplificar o processo de design, que se tornou mais complexo e demorado.

Ao invés de depender exclusivamente de métodos convencionais, engenheiros estão recorrendo a sistemas de IA, semelhantes aos utilizados pelo ChatGPT, na esperança de reduzir significativamente o tempo necessário para desenvolver microchips complexos.

Leia mais:

Em vez de levar seis meses ou mais, espera-se que o processo possa ser concluído em um mês ou menos, segundo Siddharth Garg, professor associado de engenharia elétrica e de computação na Escola de Engenharia Tandon da Universidade de Nova York, ao The Wall Street Journal.

publicidade

Revolução no design

  • Empresas líderes como Nvidia e Synopsys estão na vanguarda dessa revolução no design de chips. A Synopsys desenvolveu a ferramenta Synopsys.ai Copilot em parceria com a Microsoft, utilizando modelos de linguagem de grande escala da OpenAI.
  • Essa ferramenta visa melhorar a colaboração entre engenheiros, permitindo a geração automática de código de hardware e simplificando tarefas como a criação de scripts de fluxo de trabalho e a geração de RTL (linguagem de design de chip) por meio de conversas simples em inglês.
  • Além disso, a Nvidia criou o ChipNeMo, um sistema de IA personalizado para responder perguntas sobre a arquitetura de suas GPUs e gerar código de linguagem de design de chip.
  • Desde sua implementação, o ChipNeMo tem sido especialmente útil na formação de engenheiros juniores e na organização de informações para equipes multidisciplinares.

Limitações do processo

Apesar dos avanços promissores, as ferramentas baseadas em IA ainda têm limitações. Os engenheiros humanos precisam validar cuidadosamente a saída gerada pela IA, e ainda não existe uma solução que possa automatizar completamente todo o processo de design de chip, desde a concepção até a verificação final.

O futuro do design de chips parece cada vez mais impulsionado pela IA generativa, mas ainda há desafios a serem superados. Shankar Krishnamoorthy, da Synopsys, estimou em entrevista ao WSJ que levará cerca de cinco anos até que a IA possa autonomamente criar um chip funcional de forma confiável, levando em consideração as inevitáveis “alucinações” ou falhas dos sistemas de IA.