Elon Musk, CEO da Neuralink, anunciou em uma publicação no X (antigo Twitter) que o 1º chip cerebral da empresa foi implantando em 28 de janeiro, dando início aos testes em humanos. A nova etapa do desenvolvimento dos chips aconteceu depois de negativas da agência reguladora Food and Drug Administration (FDA) e deve analisar os resultados em voluntários pelos próximos seis anos.

A reação da comunidade científica foi mista. Enquanto alguns estão céticos sobre os critérios de Elon Musk no estudo, outros estão animados com as possibilidades da novidade.

Leia mais:

Os chips cerebrais da Neuralink foram batizados de Telepathy (Telepatia) e tem o objetivo de ajudar pessoas com algum tipo de paralisia. O dispositivo é instalado por um robô em uma região do cérebro que controla o movimento, permitindo controlar eletrônicos, membros robóticos, cadeiras de rodas e mais usando apenas o pensamento.

publicidade

Segundo a Nature, os cientistas da área estão cautelosos. Mariska Vansteensel, neurocientista do Centro Médico Universitário de Utrecht, nos Países Baixos, e presidente da Sociedade Internacional BCI (chips como o da Neuralink) espera que os chips sejam seguros e possam provar isso.

Além disso, a especialista espera que eles sejam eficazes a curto e, mais importante, a longo prazo, e questiona se a qualidade dos sinais captados se degrada nos chips (o que é comum) e como isso funcionará com o tempo, já que uma troca não é tão simples.

Já Tim Denison, neuroengenheiro da Universidade de Oxford, acredita que as possibilidades do chip cerebral são empolgantes “para o bem dos pacientes”. Claro, observando a segurança, “sem derrames, sem sangramentos, sem danos na vasculatura, qualquer coisa assim”.

No entanto, no geral, há frustração acerca das informações disponíveis sobre os ensaios clínicos da Neuralink. Isso porque, segundo Denison, além de um folheto recrutando voluntários, a empresa de Elon Musk não divulgou onde os implantes estão sendo feitos e quais resultados as avaliações vão monitorar.

Outro ponto é que o ensaio não está registrado no ClinicalTrials.gov, um repositório online com curadoria de Institutos Nacionais de Saúde dos EUA, onde é comum que investigações desse tipo sejam documentadas. Além disso, muitas revistas médicas exigem esse registro antes de publicar os resultados.

Para Ian Burkhart, cofundador da BCI Pioneers Coalition, a Neuralink seria muita mais benéfica se divulgasse as informações do estudo, ao invés de deixar a comunidade especulando. “Principalmente os pacientes que esperam ansiosamente por esse tipo de tecnologia para poder melhorar suas vidas”, completou.

Neuralink elon musk
Imagem: T. Schneider/Shutterstock

Chip cerebral da Neuralink

  • A FDA aprovou os testes em humanos para o chip cerebral da Neuralink em maio de 2023. Quatro meses depois, a companhia abriu as inscrições para voluntários.
  • O teste é chamado Prime e vai durar seis anos.
  • Os pacientes passarão por testes duas vezes por semana para controlar o computador usando os sinais neurais e avaliar a experiência.
  • As avaliações vão investigar três pontos do chip: primeiro, o implante em si, o N1/Telepathy; segundo, o robô R1, responsável pela implantação cirúrgica do chip; e terceiro, o N1 User App, software que se conecta ao chip para transmitir os sinais cerebrais para os eletrônicos.