Boa notícia para os donos de veículos elétricos da Ford nos Estados Unidos: a montadora está permitindo reservar sem custos um adaptador que lhes permitirá carregar na rede de carregadores da Tesla, a Supercharger. As informações são do The Verge.

Leia mais:

A Ford se destaca como a primeira fabricante de carros elétricos que distribui adaptadores aos clientes. Ano passado, a companhia já havia anunciado seus planos de adotar o conector North American Charging Standard (NACS) da Tesla para os seus veículos elétricos.

Seguindo a mesma tendência, outros fabricantes de automóveis fizeram o mesmo anúncio da Ford, colocando o mercado de elétricos em uma direção de tornar a rede de carregamento padronizada para todas as marcas, usando os postos da Tesla, os que mais possuem unidades nos EUA, como base.

publicidade

O adaptador, fabricado pela Tesla para permitir que outras marcas de elétricos carreguem em sua rede, é vendido normalmente por US$ 230 (R$ 1143). A Ford, no entanto, está oferecendo o adaptador gratuitamente aos seus clientes de veículos elétricos — pelo menos por enquanto.

“Nosso acesso ao carregamento rápido nos EUA e Canadá vai duplicar, com a possibilidade de usar mais de 15.000 carregadores da rede Tesla Supercharger”, disse Ken Williams, diretor de serviços de carregamento e energia da Ford.

  • O período de gratuidade dos adaptadores, segundo da Ford, vai até 1º de julho.
  • Após o prazo, A Ford os clientes precisarão pagar os US$ 230, mais impostos e frete, para adquirir o adaptador.
  • Os clientes podem reservar um adaptador através do aplicativo FordPass para smartphone.
Imagem: Mike Mareen/Shutterstock

Envios dos adaptadores serão feitos gradualmente pela Ford

Algo que já se sabe é que nem todo cliente receberá o adaptador imediatamente. A Ford depende da Tesla para fabricar adaptadores suficientes para atender à demanda; e a empresa já trabalha com a possibilidade de uma oferta menor que a demanda nos estágios iniciais.

“Temos restrições de oferta à medida que avançamos”, disse Williams. “Acreditamos que nas fases iniciais do lançamento a procura excederá a oferta, mas vamos tentar gerir essa procura numa base de ordem de chegada”, completa.