Na última quarta-feira (28), um filamento magnético conectado à mancha solar AR3592 explodiu no Sol. Como consequência, um jato de plasma atingiu a Terra, perfurando a magnetosfera do planeta e provocando auroras no Círculo Polar Ártico.

Vamos entender:

  • O Sol tem um ciclo de 11 anos de atividade solar;
  • Ele está atualmente no que os astrônomos chamam de Ciclo Solar 25;
  • Esse número se refere aos ciclos que foram acompanhados de perto pelos cientistas;
  • No auge dos ciclos solares, o astro tem uma série de manchas em sua superfície, que representam concentrações de energia;
  • À medida que os filamentos magnéticos se emaranham nas manchas solares, elas podem “estalar” e gerar rajadas de vento;
  • De acordo com a NASA, essas rajadas são explosões massivas do Sol que disparam partículas carregadas para fora da estrela em jatos de plasma (também chamados de “ejeção de massa coronal” – CME);
  • Os clarões (sinalizadores) são classificados em um sistema de letras pela Administração Nacional Oceânica e Atmosférica dos EUA (NOAA) – A, B, C, M e X – com base na intensidade dos raios-X que elas liberam, com cada nível tendo 10 vezes a intensidade do anterior;
  • A explosão desse filamento não foi direcionada à Terra, motivo pelo qual os climatologistas e meteorologistas espaciais não imaginavam que a CME pudesse atingir a Terra;
  • O golpe surpresa gerou uma tempestade geomagnética de classe G2 (de grau moderado, em uma escala que vai de G1 a G5), que provoou auroras no extremo norte do globo.

Jan Eklind fez algumas fotos a partir de seu assento na janela de um avião que sobrevoava Finnmark, na Noruega, a 10 km de altitude. “Eu estava voando de Oslo para Kirkenes na Scandinavian Airlines quando a CME chegou”, diz Eklind. “As auroras se espalham pelo céu com o crepúsculo ao longe e as luzes da cidade abaixo”, descreve na legenda das fotos, enviadas ao portal Spaceweather.com.

Aurora fotografada de dentro de um avião na Noruega. Crédito: Jan Eklind via Spaceweather.com

Leia mais:

publicidade

Veja mais imagens das auroras provocadas por explosão de filamento magnético no Sol

Outros registros belíssimos das auroras formadas pela tempestade geomagnética provocada pela explosão do filamento magnético ligado à mancha solar AR3592  foram feitos no Alasca (EUA), em Moscou (Rússia), em Abisko (Suécia) e em Kiia küla (Estônia).

Wasilla, Alasca (EUA):

Aurora fotografada em Wasilla, cidade do Alasca, nos EUA. Crédito: Rick D., via Spaceweather.com

Moscou, Rússia:

Aurora em fundo estrelado sobre Moscou, na Rússia. Crédito: Dmitry Savin via Spaceweather.com

Abisko, Suécia:

Foto obtida em Abisko, na Suécia, mostra aurora impressionantemente coloridas no céu. Crédito: Peter Rosén via Spaceweather.com
Belíssimo registro de aurora feito em Harjumaa, Kiia küla, na Estônia. Crédito: Märt Varatu via Spaceweather.com

Diversas capturas do evento também foram compartilhadas nas redes sociais: