Ponte Rio-Niterói é considerada até hoje uma das maiores obras da engenharia moderna. A estrutura foi inaugurada no dia 4 de março de 1974 e está completando 50 anos. Em razão desse aniversário, nós fizemos uma reportagem extra da série Megaprojetos, que tem novos capítulos sempre às terças e quintas-feiras.

A seguir, conheça mais sobre a história por trás desta importante construção nacional.

Leia mais

Ponte Rio-Niterói: um sonho antigo

O projeto de construção da ponte foi resultado da necessidade de uma ligação física entre o Rio e Niterói pela Baia de Guanabara. Ainda no século passado, Machado de Assis sonhou com uma estrutura que unisse as duas cidades. Já no reinado de Dom Pedro II havia o plano de construção de um túnel subterrâneo como ligação entre os dois pontos.

publicidade

Apesar do desejo antigo, foi somente em 1963 que foi criado um grupo de trabalho para estudar um projeto para a construção da ponte. Em 23 de agosto de 1968, o general Arthur Costa e Silva, então presidente da ditadura militar, assinou decreto autorizando o início dos trabalhos.

A estrutura foi, portanto, erguida durante a ditadura militar. Apesar de sucessivas tentativas de mudança, até hoje é o ditador que dá o nome oficial da Ponte Rio-Niterói, a Ponte Presidente Costa e Silva. 

Nome oficial da estrutura é Ponte Presidente Costa e Silva (Imagem: Tomaz Silva/Agência Brasil)

Visita da rainha Elizabeth II e mortes durante os trabalhos marcam a história da construção

  • Com a autorização concedida, a firma Howard, Needles, Tammen and Bergendorf, dos Estados Unidos, projetou o trecho dos vãos principais em estrutura de aço, incluindo as fundações e os pilares.
  • Os engenheiros responsáveis pelo projeto da ponte de concreto foram Antônio Alves de Noronha Filho e Benjamin Ernani Diaz, enquanto o engenheiro responsável pela ponte de aço foi o americano James Graham.
  • A rainha Elizabeth II esteve no Rio de Janeiro para participar da cerimônia de início das obras, em 1968.
  • As obras também foram marcadas pelas mortes de trabalhadores. Imagens da época mostram funcionários sem nenhum equipamento de segurança. É o que mostrou uma reportagem do Jornal Nacional com o acervo da TV Globo.
  • Oficialmente, 33 operários morreram, mas as estimativas da época, não oficiais, apontam 400 óbitos, incluindo operários e engenheiros.
  • O primeiro carro a cruzar a ponte oficialmente levou o ex-presidente Emilio Garrastazu Médici, enquanto uma multidão acompanhava tudo de perto.
Mortes de operários marcaram a construção da obra (Imagem: Joao Paulo V Tinoco/Shutterstock)

Uma das maiores obras da engenharia moderna

Marco da engenharia nacional, a ponte foi construída com aço inglês e tem o maior vão em viga reta contínua do mundo, o Vão Central, com 300 metros de comprimento e 72 metros de altura. Outro número que impressiona é o total de 1.152 vigas ao longo de sua estrutura.

No total, a estrutura tem mais de 13 quilômetros sobre o mar e está fincada nas rochas da Baía de Guanabara. Ela faz parte da mais longa rodovia brasileira, a BR-101, que liga o país do sul ao norte. Pela ponte, passam cerca passam 150 mil carros por dia, 12 milhões de pessoas por mês.

O tempo necessário para cruzar toda a estrutura é de apenas 13 minutos. Uma verdadeira revolução em relação ao início da década de 1970. Naquela época, o motorista tinha 2 possibilidades: encarar as balsas ou enfrentar uma viagem de 100 km pela Baixada Fluminense. Ambas podiam demorar cerca de duas horas.

Ponte faz parte da BR-101, que liga o Brasil do sul ao norte (Imagem: Madu Oliveira/Shutterstock)

Reparos e melhorias

Ao longo destes 50 anos várias melhorias foram realizadas na ponte. No ano 2000, por exemplo, o asfalto no vão central foi substituído por um piso de concreto de elevada resistência, enquanto a superestrutura metálica foi reforçada internamente.

Em 2004, o Instituto Alberto Luiz Coimbra de Pós-Graduação e Pesquisa de Engenharia (Coppe/UFRJ) desenvolveu para a rodovia os atenuadores dinâmicos sincronizados (ADS). Esse é um conjunto de massa e mola de 32 peças e pesos de grandes proporções que funciona como um amortecedor para a estrutura do vão central. Em eventos com fortes ventos, a ponte teve uma redução de 90% de sua oscilação.

No ano de 2009, a ponte ganhou um reordenamento de faixas, que aumentaram de três para quatro, o que contribuiu para ampliar sua capacidade operacional. Em 2016, já sob administração da Ecoponte, a praça de pedágio foi aumentada, a via ganhou iluminação de LED e lamelas antiofuscantes, sistema que utiliza defensas metálicas para eliminar o ofuscamento durante a noite causado pela iluminação dos faróis.

A reportagem foi elaborada com informações adicionais do G1 e da Agência Brasil.