O LinkedIn tem testado um feed de vídeos curtos que segue a tendência estabelecida pelo TikTok. Este movimento coloca o LinkedIn em paralelo a outras redes sociais, como Instagram e YouTube, que também adotaram formatos de vídeo semelhantes para engajar seus usuários.

Para quem tem pressa:

  • O LinkedIn testa um novo feed de vídeos curtos que segue a tendência do TikTok. A nova aba é dedicada para navegação com vídeos verticais focados em carreira e profissionalismo, permitindo interações como curtir, comentar e compartilhar;
  • O feed do LinkedIn se diferencia de outras plataformas por concentrar-se em temas profissionais. A ideia é fomentar o engajamento e a descoberta de conteúdos relevantes à sua audiência – e alinha-se à preferência dos usuários por aprendizado e conexões profissionais em vídeo;
  • A plataforma procura capitalizar na popularidade de conteúdos de desenvolvimento profissional, oferecendo aos criadores uma nova via para ampliar seu alcance, enquanto atende à demanda dos usuários por interações rápidas e informativas;
  • Enquanto o novo feed pode abrir portas para monetização e aumento de engajamento, existe o risco de saturação de mercado e reações negativas de usuários que preferem uma abordagem mais tradicional e focada no profissionalismo no LinkedIn.

O recurso foi descoberto por Austin Null, diretor de estratégia numa agência de influenciadores, que compartilhou uma prévia do novo feed no próprio LinkedIn. Este feed, localizado numa nova aba chamada “Vídeo”, permite aos usuários navegar por uma sequência vertical de vídeos curtos, com opções para curtir, comentar ou compartilhar.

Leia mais:

LinkedIn ‘estilo TikTok’

Captura de tela de vídeo estilo TikTok no feed do LinkedIn
(Imagem: Reprodução/LinkedIn)

Diferentemente de outras plataformas que apresentam uma ampla gama de conteúdos em seus feeds de vídeos curtos, o feed do LinkedIn se concentra em temas voltados para carreira e profissionalismo. A ideia é fomentar o engajamento e a descoberta de conteúdos relevantes à sua audiência.

publicidade

Segundo a empresa, que atua debaixo do guarda-chuva da Microsoft, a adoção de vídeos curtos visa atender à crescente preferência dos usuários por aprender e se conectar com profissionais e especialistas por meio de conteúdo em vídeo. Este novo feed ainda está em fase de teste e não está amplamente disponível para todos os usuários.

A iniciativa do LinkedIn de introduzir vídeos curtos mira capitalizar na popularidade de conteúdos de desenvolvimento profissional e carreira, que têm atraído seguidores substanciais no TikTok, oferecendo aos criadores de conteúdo uma nova plataforma para expandir seu alcance.

Prós e contras do novo feed do LinkedIn

LinkedIn
(Imagem: Daniel Constante/Shutterstock)

O potencial para futura monetização do feed de vídeos pode representar um incentivo adicional para que “creators” optem por compartilhar seus vídeos no LinkedIn, além de contribuir para a estratégia da plataforma de aumentar o engajamento dos usuários.

Porém, há a possibilidade de que nem todos os usuários vejam o novo feed de vídeo como uma adição positiva, dado o aumento dos feeds de vídeos curtos em diversas plataformas, o que pode levar a uma saturação de conteúdo semelhante e possíveis reações negativas de usuários que buscam uma experiência mais focada no profissionalismo.