Se alguém sofreu um derrame (AVC), quanto mais cedo receber atendimento médico adequado, melhor. Uma ferramenta de inteligência artificial (IA) para smartphones pode ajudar bastante nessa situação, já que suas capacidades permitem observar, com rapidez, se o paciente sofreu o derrame, ao analisar vídeos de seu rosto.

Os sintomas dos derrames muitas vezes podem ser sutis e/ou ambíguos. Nesses casos, os pacientes devem ser avaliados por meio de uma série de exames assim que chegam ao hospital. Se esses testes indicarem que ocorreu o derrame, só aí o verdadeiro tratamento começa.

publicidade

Leia mais:

No entanto, se os médicos soubessem que um paciente que chega já era uma vítima confirmada de derrame, o tratamento poderia começar assim que essa pessoa chegasse ao hospital. É quando entra essa ferramenta de IA.

publicidade

Simetria do rosto ajuda IA a detectar derrame

  • Desenvolvido por uma equipe de cientistas brasileiros, o software usa algoritmos de IA para analisar vídeo do rosto do paciente enquanto ele sorri;
  • Se os movimentos musculares do rosto forem excessivamente assimétricos, o software alerta o usuário que o paciente sofreu recentemente um derrame;
  • O sistema utiliza o Sistema de Codificação de Ação Facial existente, no qual as expressões faciais são divididas em componentes individuais do movimento muscular chamados Unidades de Ação.

Rosto de uma mulher utilizando a tecnologia de reconhecimento facial.
IA usa vídeos do rosto para fazer detecção do derrame (Imagem: ImageFlow/Shutterstock)

“Um dos principais parâmetros que afeta as pessoas com derrame é que os músculos faciais normalmente se tornam unilaterais, de modo que um lado da face se comporta de maneira diferente do outro lado da face”, diz o cientista-chefe, Guilherme Camargo de Oliveira.

publicidade

“Temos as ferramentas de IA e as ferramentas de processamento de imagem que podem detectar se há alguma alteração na assimetria do sorriso – essa é a chave para a detecção, no nosso caso”, completa o médico.

Quando testado em vídeos faciais de indivíduos pós-derrame e voluntários saudáveis, o sistema provou ser 82% preciso na identificação de pacientes que sofreram o derrame. Esse número deve melhorar à medida que a tecnologia for desenvolvida.

publicidade

Os planos, agora, exigem que a ferramenta seja convertida em aplicativo, que os paramédicos poderão usar para detectar AVCs no local em questão de segundos.

Vale ressaltar que, em todos os casos, exames mais abrangentes, como tomografias computadorizadas, acabariam sendo realizados no hospital. Um estudo sobre a ferramenta foi publicado recentemente na Computer Methods and Programs in Biomedicine.

Derrame/AVC
Derrames ainda demoram mais tempo que o ideal para serem detectados (Imagem: metamorworks/Shutterstock)

O trabalho tem DNA brasileiro, sendo uma colaboração entre o grupo de pesquisa Recogna, da Universidade Estadual Paulista (Unesp) de Bauru, e cientistas do Instituto Real de Tecnologia de Melbourne(RMIT), na Austrália. Com liderança do cientista Guilherme Camargo, doutorando pelo RMIT e pela Unesp, orientado pelo professor Dr. João Paulo Papa, e pelo cientista da computação Dr. Leandro Passos.