Uma nova tecnologia criada pela startup Q-Pixel, com sede em Los Angeles (EUA), pode revolucionar o mundo das exibições de vídeo.

As imagens nas telas OLED e MicroLED existentes são compostas de elementos de imagem individuais chamados píxeis. Cada píxel, por sua vez, consiste em três LEDs microscópicos lado a lado, conhecidos como subpíxeis.

publicidade

Leia mais:

Um deles é vermelho, um é verde e o outro é azul. Variando a intensidade de cada subpixel em relação aos demais, é possível fazer com que o píxel completo assuma qualquer cor do arco-íris quando visto pelo olho humano.

publicidade

Uma limitação da tecnologia reside no fato de que, como cada píxel deve ser grande o suficiente para acomodar três subpíxeis, a resolução da tela não é tão nítida como seria de outra forma.

Embora essa desvantagem possa não importar muito com TVs ou laptops, ela se torna um problema com headsets de realidade virtual (RV), como o Apple Vision Pro, já que os olhos dos usuários ficam bem próximos da tela.

publicidade

monitor desktop área de trabalho
Tela que a startup apresentou conseguiu mostrar 6,8 mil píxeis por polegada, recorde mundial no quesito (Imagem: Linus Mimietz/Unsplash)

Fabricar e organizar todos os subpíxeis dentro dos milhões de píxeis que compõem uma tela é um processo muito complicado e trabalhoso, o que leva a produtos com telas de ultra-alta definição terem preço muito elevado. Mas é aí que entra a nova tecnologia da Q-Pixel.

publicidade

Startup conseguiu substituir os três LEDs que formam o píxel por um só

  • O sistema da startup substitui os três LEDs de subpíxel por um único LED policromático;
  • No coração desse LED microscópico, está um semicondutor de nitreto de gálio, que emite luz vermelha, verde ou azul, dependendo da voltagem aplicada;
  • Em recente demonstração da tecnologia no simpósio anual da Society for Information Display, a Q-Pixel revelou o que afirma ser o display colorido de matriz ativa de maior resolução do mundo;
  • Medindo cerca de 1,1 cm por 0,55 cm, a tela possui resolução de 6.800 PPI (píxeis por polegada).

Segundo a empresa, o processo de montagem de seus displays é muito mais simples e fácil do que o exigido atualmente para displays OLED e MicroLED de ultra-alta definição.

Além disso, como outros MicroLEDs, afirma-se que os Q-Pixel oferecem tempo de resposta mais rápido, maior brilho, vida útil mais longa e eficiência energética superior em comparação com os LEDs usados ​​em monitores convencionais.

Homem usando Apple Vision Pro
Tecnologia da Q-Pixel tem mais do que o dobro dos 3,386 píxeis por polegada do Apple Vision Pro (Imagem: Divulgação/Apple)