Se vida for encontrada na lua Europa, será como uma 'nova gênese'

Estudo sugere que seria muito difícil para os microrganismos irem da Terra ou Marte para os oceanos da lua de Saturno

Guilherme Preta, editado por Maria Lutfi 17/12/2019 13h55
Encélado
A A A

Se existem criaturas nadando nos oceanos enterrados pelo sistema solar externo, provavelmente não estão relacionadas a nós. É isso que sugere uma nova pesquisa.


Realmente há uma teoria científica que afirma que a vida foi pulando de planeta para planeta ao redor do sistema solar, a bordo de pedaços de rochas lançados no espaço por impactos de cometas ou asteroides. Ou ainda que a vida da Terra é nativa de Marte, que possuía condições habitáveis igual ao nosso planeta.

Porém, Jay Melosh, geofísico da Universidade de Purdue, abordou a dificuldade dos pioneiros colonizarem especificamente a lua Europa ou o satélite de Saturno, Encélado, que abrigam grandes oceanos de água salgada e líquida sob cascas de gelo. Melosh usou modelos de computador para acompanhar o destino de 100 mil partículas de Marte lançadas através de um impacto. Ele modelou três velocidades de ejeção diferente: 1, 3 e 5 quilômetros por segundo.

Nas simulações, apenas uma pequena porcentagem das partículas acabou atingindo Encélado ao longo de 4,5 bilhões de anos. Apenas entre 0, 0000002% a 0,0000004% da quantidade de impacto na Terra. Para Europa os números foram 100 vezes maiores. Entre 0,00004% a 0,00007%.

Sabe-se que cerca de uma tonelada de rochas de marte, do tamanho de um punho, caem todos os anos na Terra. Usando esse número, Melosh calculou que Europa recebe cerca de 0,4 gramas de material marciano por ano, e o Encélado apenas de 2 a 4 miligramas. Essas médias, ele enfatizou, acontecem quase certamente de chegadas pouco frequentes de rochas maiores, e não de um fluxo constante de pequenas partículas.

Esses resultados podem parecer um bom presságio para a propagação da vida. Pode ser necessário apenas um impacto de uma rocha portando micróbios para transformar Europa ou Encélado habitáveis. Porém, há mais fatores a serem considerados, e eles reprimem o otimismo.

O cientista descobriu que o tempo médio de trânsito de um meteorito de Marte que atinge Encélado é de 2 bilhões de anos. Esse período é muito tempo para um micróbio suportar as duras condições do espaço. Além disso, o impacto aconteceria entre 5 e 31 km/s. É difícil imaginar qualquer coisa sobrevivendo com um impacto nesse extremo, segundo Melosh.

“Portanto, o ponto principal é: se a vida deve ser encontrada nos oceanos da Europa ou Encélado, é muito provável que seja nativa, e não originária da Terra, Marte ou de outro sistema solar”, afirmou o cientista durante palestra.

São notícias emocionantes vistas de determinada perspectiva. Europa, Encélado ou outro mundo potencialmente habitável, como Titã, lua de Saturno, podem permanecer incontaminados por eras, proporcionando uma oportunidade para que as formas de vida nativas se enraízem e evoluem. Por outro lado, também seria fantástico descobrir como uma vida semelhante à nossa evoluiria ao longo de bilhões de anos em um oceano gelado e enterrado. Entretanto, se descobrirmos essa “segunda gênese” em nosso sistema solar, saberemos que a vida não é um milagre e deve ser comum em todo o cosmo.

Podemos estar prestes a responder a algumas dessas perguntas. A Nasa está desenvolvendo uma missão chamada Europa Clipper, que caracterizará o oceano do satélite e explorará possíveis locais de aterrissagem para futuras missões. O lançamento deve ser nos próximos cinco ou seis anos.

Outra missão chamada Dragonfly, que será lançada em 2026, vai estudar a química complexa de Titã. O robô poderia detectar sinais de vida no ar da grande lua, se houver algum. A longo prazo, os cientistas querem desenvolver máquinas capazes de atravessas as crostas de gelo da Europa e do Encélado.

Também existem missões astrobiológicas se desenvolvendo. A própria Nasa quer lançar um veículo espacial a Marte, assim como a Agência Espacial Europeia e a Rússia estão trabalhando juntas no ExoMArs. Ambas as máquinas vão se concentrar em encontrar sinais de organismos antigos do planeta vermelho. O Telescópio Espacial James Webb da Nasa, que deve ser lançado em 2021, será capaz de farejar atmosferas de planetas próximos à procura de bioassinaturas. Os exoplanetas também estão na mira.

Via: Space


Nasa Europa Russia vida extraterrestre agência espacial europeia Titã
Você faz compras Online? Não deixe de conferir a nova extensão do Olhar Digital que garante o preço mais baixo e ainda oferece testadores automáticos de cupons. Clique aqui para instalar.

Recomendados pra você