Motorista de aplicativo

Projeto de lei pode limitar carros de aplicativos em São Paulo

Luiz Nogueira, editado por Cesar Schaeffer 23/10/2019 09h36
Compartilhe com seus seguidores
A A A

Proposta prevê que o número de motoristas por aplicativo seja igual ao número de taxistas atuando na cidade

A Câmara Municipal de São Paulo pode votar nesta quarta-feira (23), o PL 419/2018. O projeto, de autoria do vereador Adilson Amadeu (DEM), quer limitar o número de carros de aplicativos para o mesmo número de táxis rodando na capital paulista – atualmente, esse número está estimado em 40 mil carros.


O projeto, que passou pela Comissão de Constituição e Justiça da casa, consta entre as pautas de votação desta semana. Além da limitação do número de veículos, a lei, se aprovada, prevê alguns outros requisitos para os carros usados em aplicativos de transporte, como por exemplo, a circulação com placa exclusiva dentro de São Paulo e a limitação da idade máxima que um veículo pode ter para ser usado para esse tipo de atividade – esse limite seria de oito anos. Vistorias e inspeções anuais também estão sendo citadas no projeto.

Outra medida presente no projeto é a obrigatoriedade de contratação de seguro contra acidentes pessoais dos passageiros e o motorista deve apresentar seu atestado de antecedentes criminais antes de começar a exercer a atividade. Além disso, quem desejar trabalhar com a modalidade dos aplicativos deve possuir o Cadastro Municipal de Condutores por Aplicativos – o CONDUAPP, que deverá ser emitido e regularizado pela Prefeitura. Atualmente, quem realiza esse procedimento são as próprias empresas.

Como justificativa para as exigências da lei, o vereador Adilson Amadeu explicou que "o viário urbano da cidade de São Paulo não suporta mais a enxurrada de carros de aplicativos. Além da insegurança no modelo proposto, diversos estudos em grandes metrópoles apontam para um modelo completamente anárquico que vem colocando sob xeque a mobilidade urbana da cidade."

No começo deste ano, o prefeito da cidade, Bruno Covas, propôs um decreto em que as empresas de transporte por aplicativo foram beneficiadas. Placas de carros de outros estados poderiam circular normalmente e exercer a atividade sem nenhum tipo de restrição. Entretanto, até o momento, mais de 1,8 mil carros foram multados e apreendidos na capital, sob pretexto de que eles estavam praticando transporte clandestino e não se enquadravam nas normas propostas.

Cada cidade deve possuir sua regulamentação

Desde o ano passado, a aprovação da lei federal 13.640, transferiu às Prefeituras de cada cidade a responsabilidade por criar sua própria regulamentação de mobilidade urbana – desde que os requisitos aprovados pelo Congresso Nacional sejam cumpridos.

A lei prevê diversas diretrizes que devem ser acatadas pelas empresas de transporte e os motoristas parceiros. Além disso, a lei deixa em aberto a possibilidade da inclusão de novos enquadramentos de acordo com as características de cada uma das cidades.

Projeto de Lei Mobilidade mobilidade urbana Lei motoristas aplicativo câmara aplicativo de transporte
Compartilhe com seus seguidores
Compras na Internet? Para aproveitar as melhores ofertas, baixe a nova extensão do Olhar Digital. Além da garantia do melhor preço, você ainda ganha descontos em várias lojas. Clique aqui para instalar.

Recomendados pra você