A Nasa está se preparando para estudar a vizinhança cósmica de Júpiter. Agora, a agência espacial deu mais um passo importante para que isso aconteça, iniciando a montagem na espaçonave que será usada na missão.

A missão Lucy, com lançamento previsto para outubro de 2021, fará uma viagem ambiciosa para estudar ao menos oito rochas espaciais no cinturão de asteroides próximo ao gigante gasoso. A operação deve durar em torno de 10 anos.

publicidade

“Cada fase da missão é mais emocionante que a anterior”, destacou Hal Levison, cientista planetário do Southwest Research Institute, no Colorado, e principal investigador da missão. “Embora Lucy tenha vários anos e alguns bilhões de milhas pela frente antes de alcançarmos nosso objetivo real, ver esta espaçonave se unindo é simplesmente incrível”, acrescentou.

Esta será a primeira missão da Nasa a estudar os asteroides troianos de Júpiter. A expectativa dos cientistas é que possam ter uma visão de perto dos principais tipos de rochas espaciais encontrados na região, já que eles provavelmente possuem água em seu interior. Além disso, eles se formaram na mesma época que o Sistema Solar, e, por isso, servem como fósseis para ajudar a entender a formação da nossa vizinhança cósmica.

Missao-Lucy.jpgEspaçonave Lucy começou a ser montafa. Foto: Lockheed Martin Space

Segundo a agência espacial, a espaçonave deve chegar à Flórida, de onde partirá para o espaço, em julho de 2021. Até outubro, passará por preparativos de última hora. A janela oficial de lançamento está prevista para abrir em 16 de outubro e a espaçonave deve chegar ao primeiro asteroide em abril de 2025.

Agência descobre galáxia parecida com nave de Star Wars

Astrônomos da Nasa anunciaram a descoberta de uma galáxia que, quando vista de perto, lembra a nave espacial fictícia Tie Fighter, do universo de Star Wars. Um artigo descrevendo a descoberta foi publicado nesta terça-feira (25) no The Astrophysical Journal.

Batizada como TXS 0128, a galáxia deve sua luminosidade à emissão de raios gama, um tipo de radiação eletromagnética de alta frequência e muito energética. Os cientistas vinham estudando as suas características desde 2015, quando a identificaram pela primeira vez utilizando o telescópio espacial de radiação gama Fermi, da Nasa.

Via: Space