EnglishPortugueseSpanish

Luís Roberto Barroso, presidente do Tribunal Superior Eleitoral (TSE), disse nesta segunda-feira (16) que pediu à Polícia Federal a abertura de um inquérito para investigar os ataques hackers aos sistemas da Justiça Eleitoral neste domingo (15), durante o primeiro turno das eleições municipais.

O ataque aconteceu no período da manhã, quando o sistema do TSE registrou 436 mil conexões por segundo, em um movimento chamado “negação de serviço com milhares de tentativas de acesso simultâneas”.

publicidade

Segundo Barroso, os disparos massivos para derrubar o sistema partiram de três países: Nova Zelândia, Estados Unidos e do próprio Brasil. “O ataque não conseguiu ultrapassar as barreiras e foi devidamente repelido pelos nossos sistemas de segurança”, afirmou o ministro.

Contudo, o ataque não foi o único ponto citado por Barroso ao pedir auxílio da PF. O presidente do TSE também pediu investigação sobre o vazamento de dados antigos, com mais de dez anos, de ex-ministros e ex-funcionários do local. Segundo ele, esse vazamento se deu em “data pretérita”, ainda não identificada, mas que também foi divulgada neste domingo como uma tentativa de desacreditar o sistema do tribunal.

Reprodução

Luís Roberto Barroso, presidente do TSE. Imagem: Agência Brasil/Divulgação

“Assim que eles foram vazados, milícias digitais entraram imediatamente em ação tentando desacreditar o sistema”, contou Barroso. “Há suspeita de articulação de grupos extremistas, que se empenham em desacreditar as instituições, clamam pela volta da ditadura. E muitos deles são investigados pelo Supremo Tribunal Federal”.

O ministro afirmou que falou sobre o inquérito na manhã desta segunda-feira (16) com o delegado Rolando Alexandre de Souza, diretor-geral da Polícia Federal. “Pedi a ele a investigação que se justifica nesse caso, uma investigação séria e ampla”, disse.

Apuração dos votos

A origem do problema na totalização dos votos, que gerou um atraso de pelo menos duas horas na divulgação dos resultados, foi a demora para um supercomputador chegar, de acordo com o serviço de tecnologia da informação do TSE.

O TSE contratou os serviços da Oracle para fornecer um supercomputador que centralizaria a apuração dos votos no TSE, não deixando mais a totalização descentralizada nos Tribunais Regionais Eleitorais (TREs).

Até as últimas eleições, em 2018, os boletins das urnas eram transferidos para os computadores dos TREs, que somavam os votos e enviavam os resultados ao TSE. Neste ano, o tribunal decidiu mudar o procedimento e centralizou a apuração em Brasília. Segundo Barroso, essa foi uma decisão recomendada pela PF, por questões de segurança.

Reprodução

Em 2020, apuração foi centralizada em Brasília, o que atrasou os resultados. Imagem: TSE – RJ/Reprodução

O serviço foi contratado em março, mas o equipamento só chegou em agosto, devido à pandemia de Covid-19. Com a demora, a equipe técnica do TSE não conseguiu realizar todos os testes necessários para que o software aprendesse a calcular os dados na velocidade e volume necessários.

Ainda segundo o ministro, a inteligência artificial demorou a aprender como processar os dados corretamente conforme eles chegavam, já que não passou pelos testes necessários. Isso provocou lentidão e travamento no sistema, que precisou ser reiniciado, causando o atraso na divulgação.

Medida de segurança

De acordo com o secretário de Tecnologia da Informação do TSE, Giuseppe Janino, peritos da PF identificaram um maior risco de invasão aos sistemas se a apuração fosse feita de forma descentralizada, como era antes, porque a totalização acontecia em 27 redes diferentes, não em apenas uma. A centralização diminuiu o número de alvos, melhorando a proteção.

“Se eu tivesse as mesmas informações que as gestões anteriores tiveram, eu tomaria a mesma decisão que eles tomaram”, complementou o ministro Barroso. “Quando disse que não tinha simpatia, era sobre administrar essa mudança”.

E-Título

Barroso afirmou que a equipe de tecnologia do TSE ainda analisa se os problemas apresentados pelo aplicativo e-Título foram relacionados ao sistema ou ao suporte. Segundo ele, houve uma grande quantidade de downloads em pouco tempo, o que pode ter sobrecarregado os servidores.

Reprodução

App e-Título foi o documento mais usado durante as eleições deste ano. Imagem: TSE/Divulgação

Segundo o ministro, foram mais de 13 milhões de downloads do e-Título e 600 mil justificativas feitas pelo app. Nesta segunda, foram mais 700 mil downloads e 460 mil justificativas de ausência. O e-Título foi o documento mais utilizado no primeiro turno das eleições, afirmou Barroso.

Brancos, nulos e abstenções

O TSE divulgou um balanço do primeiro turno das eleições. Neste ano, a taxa de abstenção foi de 23,14%, pouco menos que nas últimas eleições municipais – em 2016, essa taxa foi de 25,33%. Os estados com os menores índices de abstenção foram Ceará (16,93%), Paraíba (15,79%) e Piauí (15,12%).

De acordo com o tribunal, na hora de escolher um vereador, 4.465.261 pessoas votaram em branco e 5.663.728 anularam seus votos. Já para a prefeitura, os votos brancos somaram 3.909.362, e os nulos chegaram a 7.044.774.

Via: G1