EnglishPortugueseSpanish

A Associação Brasileira de Empresas de Cartões de Crédito e Serviços (Abecs) aprovou o aumento do limite nos pagamentos feitos por aproximação sem uso de senha de R$ 100 para R$ 200.

A decisão foi tomada pela diretoria da associação na quinta-feira (17). Este é o segundo aumento registrado no ano de 2020. Em julho, o valor total permitido passou de R$ 50 para R$ 100.

publicidade

Segundo o presidente da entidade, Pedro Coutinho, houve um aumento na utilização desta modalidade de pagamento durante a pandemia de Covid-19 em virtude das medidas de segurança e distanciamento social. Com isso, o mercado apostou nas transações com tecnologia contactless.

“Vimos uma evolução importante no mercado. Antes, por exemplo, nem todos os dispositivos aceitavam o NFC (do inglês Near Field Communication, transmissão de dados por proximidade), agora temos uma base de quase 100% dos equipamentos. O aumento dessa base e do incentivo tem permitido esse crescimento exponencial”, explicou Coutinho à Folha de S. Paulo.

NFC está presente em alguns smartphones e em cartões de créditos. Créditos: karolina Gabrowska/Pexels

A elevação no limite não chega para competir com o PIX, lançado em novembro pelo Banco Central. Ao menos é o que afirma o presidente da Abecs: “A experiência do usuário é muito simples com o NFC e tende a mostrar volumes cada vez maiores. Com o pagamento por aproximação não é necessário abrir aplicativo, ler QR Code ou nada do tipo. Basta aproximar, pagar e ir embora”.

As transações por meio desta modalidade movimentaram R$ 22,7 bilhões entre janeiro e setembro de 2020, de acordo com a associação. As cifras expressam um aumento de 478% em relação ao mesmo período de 2019.

Como a mudança ficará a cargo dos sistemas de cada banco, não há até o momento uma data específica para que o limite seja efetivamente aumentado.

É seguro?

Um mapeamento realizado pela Abecs registrou estatísticas que, para a entidade, mostram a segurança da modalidade. Segundo Coutinho, não foram registrados “problemas significativos” desde o primeiro aumento, em julho, nem durante testes com o novo limite para pagamentos por aproximação.

Assim como os cartões de crédito com chips, as transações contactless possuem várias camadas de segurança, incluindo o padrão internacional EMV, criado pelas empresas Europay, Mastercard e Visa, que dificulta a clonagem, por exemplo.

Via Folha de S. Paulo