Desde o anúncio das mudanças nas políticas de privacidade do WhatsApp, muitos usuários, preocupados com sua comunicação privada, começaram a procurar alternativas ao mensageiro. Dois dos mais populares atualmente, SignalTelegram, ganharam milhares de utilizadores recentemente.  

No entanto, de acordo com o site WABetaInfo, não há com o que se preocupar – pelo menos na questão dos chats pessoais. Isso porque, segundo um diagrama sobre o assunto (em inglês), as mudanças ocorrerão apenas quando o usuário conversar com uma conta comercial dentro do aplicativo.  

publicidade

Porém, há algumas diferenças, mesmo ao falar com uma loja, por exemplo. Caso o estabelecimento use um provedor de serviços de nuvem, os chats continuam protegidos pela criptografia de ponta a ponta do mensageiro, mas, dependendo da política de privacidade de cada plataforma utilizada para tal fim, anúncios direcionados dentro do Facebook podem ser criados.  

Caso os termos da plataforma utilizada pela empresa impeçam essa prática, as mensagens trocadas com a conta não serão usadas para criar propagandas personalizadas.

No entanto, se a resposta for o contrário e essa possibilidade estiver descrita, o que o usuário pode fazer, segundo o próprio site, é evitar conversar com aquela conta comercial – ou continuar, caso não ligue para a forma como essas conversas podem influenciar a experiência no Facebook.  

Para conversas pessoais, como citado, nada muda. Os usuários continuam tendo a criptografia de ponta a ponta a seu favor dentro da plataforma.  

De acordo com a nova política de privacidade da empresa, as mudanças serão adotadas apenas em chats com contas comerciais . Foto: Alberto Garcia Guillen/Shutterstock

Outra situação que preocupa os utilizadores está ligada às chamadas e atualizações de status postadas no mensageiro. Mesmo que as contas comerciais utilizem os já citados provedores de serviços de nuvem, não há qualquer informação dentro das novas mudanças do WhatsApp que permitam que qualquer empresa ouça o que está sendo dito.  

Mas se, mesmo assim, você não tiver plena confiança nisso, o site, novamente, recomenda que seja evitada qualquer comunicação com contas comerciais.  

No caso dos status, a situação é um pouco diferente. Se a loja salvou o contato do cliente, pode ter acesso às postagens efêmeras. O que, caso o provedor seja usado, pode significar que esses dados também poderão ser coletados para fins de propaganda – claro, isso se essa cláusula estiver presente na política de privacidade do provedor utilizado.  

Por fim, mas não menos importante, há a questão da localização. Se for compartilhada constantemente, o WhatsApp tem acesso à informação e pode utilizá-la. Mas o que o site destaca é que o aplicativo usa apenas uma estimativa geral – não coletando os dados GPS compartilhados dentro de conversas pessoais, por exemplo.  

Essa prática seria apenas para diagnósticos de funcionamento e para oferecer soluções de problemas. Segundo o WaBetaInfo, essas informações não são associadas à identidade do perfil e não são compartilhadas com o Facebook ou qualquer outra empresa.  

Para alguns, essas informações podem ser suficientes para que continuem a utilizar o serviço com tranquilidade. Já outros, podem ter ainda mais motivos para abandonar a plataforma e procurar uma solução alternativa – mesmo com o adiamento da implementação das mudanças dentro do mensageiro de Mark Zuckerberg

Via: WaBetaInfo

Já assistiu aos nossos novos vídeos no YouTube? Inscreva-se no nosso canal!