A atriz Gina Carano afirmou que tomou conhecimento de sua demissão da série “The Mandalorian”, da franquia “Star Wars“, assim como toda as outras pessoas: por meio das redes sociais. Ela conta que ainda não recebeu nenhum contato da LucasFilm, produtora da série, desde o incidente.

A informação foi dada em entrevista realizada por Bari Weiss  na plataforma de newsletter Substack. O tema central da entrevista foi a demissão da atriz da série “The Mandalorian” na última semana, em consequência de declarações feitas por Carano comparando os admiradores do ex-presidente Donald Trump com o judeus perseguidos na Alemanha nazista.

publicidade

A hashtag #FireGinaCarano esteve nos trending topics do Twitter na última semana, após a atriz publicar um vídeo no Instagram em que fazia a polêmica comparação. Carano referendou sua comparação ao dizer que o governo alemão na época da Segunda Guerra permitia e incentivava a população a perseguir judeus: “como isso pode ser diferente de odiar uma pessoa por suas visões políticas?”, indagou.

Gina Carano, ao lado de Pedro Pascal e Carl Carl Weathers na segunda temporada de “The Mandalorian”. Imagem: Disney+/Divuulgação

A recepção nada amistosa nas redes sociais motivou a LucasFilm a decidir pela demissão da atriz de “The Mandalorian“, mesmo após Carano ter apagado o vídeo em virtude da resposta negativa.

Um porta-voz da LucasFilm confirmou a demissão em pronunciamento: “Gina Carano não é mais empregada da LucasFilm e não há planos para ela no futuro. No entanto, seus posts em mídias sociais denegrindo pessoas baseados em identidades culturais e religiosas são abomináveis e inaceitáveis”, declarou o porta-voz.

Carano explicou a Weiss que essa foi a última vez que ela foi contactada pela LucasFilm a respeito do incidente. Ela ainda acrescenta que nem antes do anúncio recebeu qualquer contato oficial a respeito de sua remoção do elenco de “The Mandalorian”.

Desde a demissão, Gina Carano juntou-se a Ben Shapiro e ao The Daily Wire para discussão de um futuro projeto cinematográfico.

Via: CBR